Federer tem jogo decisivo para o nº 1
Por José Nilton Dalcim
12 de agosto de 2017 às 00:36

Ganhar de Robin Haase não vale apenas mais uma importante final nesta incrível temporada para Roger Federer. A vitória às 16 horas deste sábado lhe dará condições matemáticas de depender unicamente de si mesmo para recuperar a liderança do ranking já em Cincinnati, na próxima semana.

O suíço chegará a 7.145 pontos se for à final de Montréal e assim o título e os 1.000 pontos no piso rápido de Cincinnati, um lugar onde já ganhou sete vezes, serão o bastante para superar Rafael Nadal qualquer que seja a campanha do espanhol. Como está com 7.555 pontos e defende 90, o máximo que o espanhol poderá atingir com um vice são 8.065.

Ao mesmo tempo, Federer continua a perseguir os números de Ivan Lendl. A primeira façanha a se comemorar nesta semana é a semifinal de número 189 na carreira, que iguala o tcheco e fica apenas atrás das inacreditáveis 240 de Jimmy Connors. Em caso de título, chegará aos mesmos 94 de Lendl, ainda que distante dos 109 de Connors.

Curioso o fato de que Federer e Haase, já um ‘trintão’, se enfrentaram uma única vez até hoje, cinco anos atrás no playoff da Copa Davis e o suíço atropelou no saibro. Tenista de 1,90m que já foi 33º do ranking, Haase é um adversário respeitável em quadras mais velozes, embora seus dois ATPs tenham vindo no saibro rápido de Kitzbuhel.

Não há muito segredo: saca bem, prefere ficar na base a disparar golpes da base, com pouca variedade. Ainda assim, suas cinco vitórias sobre top 10 são expressivas: Murray, Wawrinka, Tsonga, Berdych e recentemente Thiem.

Enquanto Federer fez um jogo burocrático, mas bem superior ao da véspera, diante de Roberto Bautista, o holandês virou em cima de Diego Schwartzman mesmo perdendo quatro serviços na partida. O suíço adotou a tática de pressionar o espanhol desde o início e começou a obter dividendos quando o saque de Bautista caiu de rendimento. Haase saca melhor, mas não duvido que Federer adote o mesmo modelo tático e use anda mais as bolas baixas.

O sonho continua
Denis Shapovalov está iluminado. Marcou sua terceira virada diante de uma torcida empolgadíssima e a vitória desta noite sobre Adrian Mannarino teve um componente a mais para mostrar o potencial do canhoto canadense: administrou emocionalmente com grande competência a façanha da noite anterior, quando eliminou Rafael Nadal.

Sem deslumbre, sua postura foi digna. Entrou focado, ainda que tenha demorado a pegar o melhor ritmo, correu atrás do prejuízo e achou o caminho tático para driblar um adversário que se postou de forma bem diferente da véspera. Apesar de não ter golpes matadores, o canhoto francês joga muito perto da linha, o que tira os ângulos, e saber mexer a bola para todos os cantos, apostando na regularidade. Shapovalov precisou de maior cautela, mas ainda disparou 34 winners e fez 49 erros, ou seja, tomou a iniciativa o tempo todo. Destaque para uma cinematográfica passada cruzada de backhand.

Mais jovem semifinalista na história dos Masters e já garantido no top 70, Shapovalov faz agora um duelo dos mais interessantes diante de outro prodígio, o alemão Alexander Zverev, que é exatamente dois anos mais velho e já está num estágio de alto nível na carreira e numa temporada magnífica. Ele repetiu nesta noite a vitória sobre Kevin Anderson da final de Washington de cinco dias atrás e será um teste magnífico para Shapovalov, já que tem saque poderoso, grande jogo de base dos dois lados, procura sempre entrar na quadra, pega na subida e faz devolução agressiva.

O sonho também continua para Sloane Stephens. Ela foi muito corajosa, bateu firme para escapar de três match points contra Lucie Safarova num jogo batido o tempo inteiro. A norte-americana faz semifinal contra Carol Wozniacki, que conseguiu reagir duas vezes: de 1/5 para 7/5 no primeiro set e de 2/4 para 6/4 no terceiro diante da número 1 Karolina Pliskova. Por incrível que pareça, Carol, que nunca havia vencido uma líder do ranking, marcou mais aces que a tcheca: 8 a 5.

A segunda semifinal só será conhecida neste sábado, já que o mau tempo interrompeu a vitória parcial de Garbine Muguruza e adiou a partida entre Simona Halep e Carolina Garcia. As vencedoras terão rodada dupla.


Comentários
  1. André Luiz

    Me tornei fã do Shapovalov.
    Quantas recursos o garoto tem! E que coragem!
    Tomara que tenha rápida e sólida evolução daqui pra frente, seguindo os passos de Sascha.
    Na final de amanhã, palpito que Federer empata com Lendl em números de títulos.
    Mas há que se destacar a temporada do Zverev. Falta só uma grande campanha em major pra se consolidar de vez com um dos maiores nomes do circuito.

    Responder
  2. Sérgio Ribeiro

    Cravamos semana passada que a Novíssima Geração faria Historia no MASTERS 1000 de Montreal. Com Thiem e Zverev. Foi ainda melhor com o Garoto de 18 fazendo Semi. E o Talentosíssimo Alemão na FINAL. Outros se preocupavam com quem pararia Federer e Nadal. Zverev novamente sai de um 0 X 40 , para fechar o jogo. Sem se incomodar com a grande Torcida Canadense. E só tem 20 anos. O sortudo Suíço ( abriram a Chave), pode treinar a vontade. E ele e Zverev se conhecem bastante. Mesmo assim estou com o Dalcim que o favorito não é tanto assim. Em Halle o Craque também não estava com o Back do AOPEN. O que importa é que a médio prazo os garotos incomodarão o BIG FOUR. A Geração mal resolvida pegou TODOS no Auge e um Suíço reinventado. Aí não dava mesmo. ABS!

    Responder
  3. João ando

    Maria desiste de cincinati. ..será que recebe convite para usopen ou vai ter que jogar o Qualy dalcim?svitolina na final contra Caroline… Roger contra sasha …

    Responder
  4. Luiz

    Outra coisa que colocaram foi aquela estatística de jogadores com pelo menos 4 vitórias em um mesmo ano antes de completar 21 anos, que coloca Zverev num seleto grupo de jogadores como Del Potro (ultimo a conseguir a façanha há 9 anos), Djoko, Rodick, Hewitt, Safin. Mas o que chamou a atenção e gerou comentários de espanto foi o Nadal, unico a conseguir isso em multiplos anos (3 consecutivos), com 11 vitórias aos 19 em 2005. O que explica Federer não ter sido tão efetivo quando mais jovem e mesmo assim se distanciar tanto dos demais em títulos e vitórias, Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nadal dominou rapidamente o saibro e, mesmo com 18 anos, já era um tenista experiente. Federer sofreu muito com a cobrança, inclusive pessoal, até conseguir se soltar em 2003 quando venceu Wimbledon. Acho que foram inícios de carreiras bem distintos.

      Responder
  5. Luiz

    Boas, Dalcim. Assistindo ao jogo dos “teens” na ESPN americana e parece que eles também lêm seu blog antes das partidas… muito foco no trabalho de base do Zverev e sua consistência contra a coragem dos golpes do Shapovalov e sua deficiência na rede! Mas o que me chamou a atenção foi um comentário sobre o fato que o canadense se tornou amigo pessoal do juiz que ele acertou acidentalmente na Davis e que aquela atitude foi o início de seu amadurecimento e transformação. Vc sabia disso?

    Responder
  6. Pieter

    Li aqui no site que o Federer fez a sua primeira final de Masters 1000 aos 20 anos.
    Pergunto: alguém sabe me dizer qual foi essa final e se ele a venceu, bem como quem era o adversário?
    Agradeço!

    Responder
  7. Fernando Pimentel

    Vocês são exigentes pra caramba quanto ao Federer.. pô, embora não pareça, ele também é um ser humano, não vai jogar o fino da bola sempre. Digam-me se o Djokovic, considerado por muitos até o ano passado como o mais regular do circuito, foi impecável em todas as partidas que jogou em 2011 ou em 2015. E mais, todos nós temos problemas que nos preocupam e tiram nossa concentração em alguns momentos. Ninguém carrega sorrisos ambulantes.

    Responder
  8. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    Sei q está sendo bastante espantoso o fato do Federer estar a beira de tomar a liderança do ano, já a corrida se encaminhando para o desfecho de 2017. Esse espanto é maior pelo suíço ter pulado toda a temporada de saibro q distribui quase 5 mil pontos, ou seja, não teve oportunidade de ganhar nada de toda essa pontuação. No entanto, estava lembrando do grande Sampras que tinha campanhas bem fracas no saibro (acho q o máximo q fez foi uma semi de RG, uma única vez) e mesmo assim, que é de conhecimento de todos, como ele dominou o ranking por tantos anos, inclusive ainda é o recordista em número 1 ao final do ano, com seis vez.
    Gostaria de saber se a temporada de saibro era menor na década de 90? Distribuía uma quantidade menor de pontos? Ou vc sabe se alguma vez, ainda no auge, ele fez o mesmo q o Roger fez esse ano, pulou a temporada de barro, e mesmo assim foi número 1?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, acho que a temporada de saibro era bem semelhante em relação ao circuito, mas ainda existiam os torneios bem velozes em pisos cobertos. No seu auge, Sampras sempre tentou jogar no saibro.

      Responder
  9. Leonardo Coelho

    Dalcin, não sei se já foi falado isso aqui, mas se o Shapovalov chegar à final, teremos uma decisão com um tenista com exatamente o dobro da idade de seu adversário. Você lembra de alguma final de um torneio grande assim com toda essa diferença de idade entre os dois finalistas???

    Responder
  10. Rodrigo S. Cruz

    O Federer tem jogado bem abaixo do que jogou no primeiro semestre…

    Talvez esteja se poupando pro US Open.

    Mas mesmo jogando menos do que pode, está dando pro gasto, pois continua papando títulos.

    Só ele mesmo pra fazer isto…

    Se fosse o Djokovic, já estaria com uma baita enxaqueca, tomando um ISTOMIN…

    (rs)

    Responder
  11. Luis

    Dalcim boa vitoria do Federer e uma final pra variar em 2017 rs,mais Comentario do Sportv no assunto do seu texto Dalcim sobre a chance de Federer ser numero 1 novamente que sao grandes pelo suico gostar mais dessa parte do ano que Nadal,acha bem Favorito o suico contra um dos Garotos Dalcim? Na logica rs seria o Zverev,Go Federer e nao para nunca kkkk 2100

    Responder
  12. Fabio F

    Roger tem errado muito, os números não mentem, e não tem sido dominante em Montreal como nas quadras duras do primeiro semestre. Mas é preciso dar o devido desconto, afinal o sujeito tem 36 e sua temporada até aqui tem sido impecável (e o seria em qualquer idade, ressalte-se). Ferrer e Haase deram bastante trabalho, portanto não há do que se queixar em termos de ganho de ritmo. Seja quem for o adversário na final, será uma prova de fogo, porque prevejo torcida majoritariamente contra, ou no máximo dividida, seja quem for o rival. Exceção feita aos mais fanáticos, quem não curtiria ver um nome promissor da nova geração desbancando um medalhão?
    Com mais uma final no curriculum, esse monstro chamado Federer irá muito confiante para um de seus torneios de melhor retrospecto. Rafa deve ter lamentado muito seu tropeço no Canadá…

    Responder
      1. Fábio F

        Caro Renato,
        Não o conheço, creio. Embora respeite completamente sua opinião divergente da minha, acho despropositado ler algo assim de de alguém com quem não tenho intimidade. Sinceramente, comentários como esse seu me fazem cogitar não mais postar por aqui. Abraço!

        Responder
        1. João ando

          Fábio. Deixa isso pra la.as pessoas aqui são bem agressivas sim…Mas esquece e continue com sua opinião…embora eu nao concorde com vc…rs

          Responder
  13. Alexandre Matuchenko

    Acho que o Federer não queria jogar esse torneio após ter ganho Wimbledon, mas a chance de atingir o primeiro lugar do ranking o levou ao torneio. Eu não digo que está jogando sem vontade, mas está meio desconcentrado. Em Halle, também estava assim e jogou muito na final. Para quem se lembra, era assim que ele agia muitas vezes no seu auge. O que você acha, Dalcin?

    Responder
      1. Jônatas L. de Paiva

        É o que eu ia comentar, vendo o primeiro jogo e esta semi-final vi que a velocidade e força do jogo dele começaram a ficar melhores. Quando não estamos acostumados com a bola e a quadra perdemos o timing e procuramos bater mais devagar na bola para encontrar o tempo correto de batida. O Federer está quase lá. Perguntas: o piso de Cincinnati tem velocidade semelhante a este? E a bola vai ser a mesma?

        Responder
          1. Renatinho

            Dalcim, acho que a questão do Federer talvez é o fato de ter treinado menos para este torneio ( pelo o que deduzi ele decidiu jogar esse torneio meio em cima da hora), mas esta sendo um ótimo treinamento. Em cada jogo o nível evolui e consegue ganhar sem precisar de muito . Vc acha acredita que Federer pode chegar nesta final já com o timing perfeito da bola

      2. André Luiz

        Parece que ele declarou que não treinou muito depois de WB e decidiu ir pra Montreal menos de uma semana antes do início do torneio; ou seja, em cima da hora. O Canadá tem sido o treino dele para Cincinnatti.

        Responder
  14. Oswaldo E Aranha

    já achei o epitáfio que será colocado no túmulo do Djokovic: “Aqui jaz um dos maiores tenistas de sua década, vilipendiado pelo amargor e rancor de alguns torcedores brasileiros de seus adversários”

    Responder
    1. Nando

      Com ctz, HOJE vc é com sobras o mais rancoroso…pois tá focado mais em falar direta ou indiretamente sobre os torcedores, do q do esporte…é so ver seus últimos comentários principalmente.

      Responder
  15. JANAINA M DIAS

    Dalcim, um patrocinador, a ITF ou a ATP podem obrigar um tenista top 10 a disputar um torneio que ele não queira? (Fora o único Master que pode ser dispensado).

    Digo isso, assim como o Thiago Prada aqui embaixo, por também ver um comportamento estranho do Federer em Montréal, parece jogar contrariado, desmotivado e de mau humor.. Quando venceu Wimbledon, Federer declarou que só disputaria Cincy e US OPEN, e depois só confirmou Montréal em cima da hora..
    Você acha, Dalcim, que ele preferia estar descansando essa semana (pra Cincy e US) e que talvez ele tenha sido “convencido” a jogar no Canadá?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não podem. Podem apenas aplicar eventuais sanções. Não acredito que alguém do porte de Federer se sinta obrigado a jogar qualquer torneio. Nem Monte Carlo ele tem jogado, e olha que é patrocinado pela Rolex. Não acho que Federer esteja sem vontade. Se não estivesse a fim, já teria entregado. Por que lutar naquele jogo contra o Ferrer? Arriscaria a dizer que ele não chegou totalmente preparado para o torneio.

      Responder
  16. Gilvan

    E com a vitoria de hoje, Federer ja ultrapassou o Nadal no ranking da `Corrida dos Campeos`, vulgo ranking dos torneios de 2017.
    Vai longe o vovo.

    Responder
  17. Sônia

    Dalcim que desânimo do Federer rsrs (jogou pro gasto), mas o importante é que venceu mais um jogo. Perdão MAESTRO, estamos mal acostumados, perdão… aliás, uau uau uau, mais uma final rsrsrs. Parabéns Lindinho, VOCE é simplesmente sensacional. Beijos.

    Responder
  18. Pieter

    Federer venceu mas, a mim, não convenceu.
    Jogou de forma quase burocrática, diria que o suficiente para ganhar, em que pese a fragilidade do adversário que não o ameaçaria de modo algum, em condições normais.
    O backhand agressivo, com topspin, ainda não apareceu mas o slice está muito bom. Achei que sacou bem, melhor que no jogo anterior e, como sempre, deu show na rede.
    Mas, e até o Eusébio comentou a respeito na transmissão do Sportv, ele não parece estar divertindo-se, como se estivesse preocupado com algo, um tanto estranho. Tomara que seja apenas impressão nossa…

    Responder
    1. João ando

      Pieter. Está parecendo que está jogando por obrigação. ..so para ganhar o cachet…Mas deve ganhar o torneio independente se for sasha Ou o shapovalov

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Pois e’ Peter. Fez a inscrição para o Torneio em cima da hora. A familia toda estava de férias na Sardenha. Acho que deve ter treinado com Fognini ( devido a preguiça). Mirka ainda não apareceu. Era para estar treinando para Cincy. Haja Torcida com esse Back ….ABS!

      Responder
        1. Pieter

          Sem problemas, caro Sérgio, rs.
          De fato, não tinha aventado essa possibilidade: talvez Federer tenha ido à Montréal tão somente para ganhar pontos e se aproximar da liderança do ranking mas, na verdade, quisesse mesmo era ficar na Sardenha curtindo a família e o verão europeu. Compreensível…
          De todo modo, penso eu, se ele quiser ganhar este título, seja quem for seu adversário, na final ele terá que jogar bem melhor.
          Nenhum dos garotos vai lhe facilitar a vida, ao contrário!

          Responder
  19. Pieter

    Excelente vitória da Bia Haddad nas rapidíssimas quadras de Cincinnati, na 1a rodada do qualifying.
    Na rodada seguinte, irá enfrentar uma russa com um ranking inferior ao seu e, ao que parece, menos experiente.
    Vitória bem possível para ela. Vamos torcer!

    Responder
  20. Thiago Prada

    Como dizem, “alguma coisa errada não tá certa” com o Federer nosso torneio, fico até preocupado, hoje minha mãe falou que ele anda barbado, ele tá muito malemolente, sendo quebrado, errando muito….

    Responder
  21. O LÓGICO

    GURU, o Fedex já divulgou o calendário dele até o final da temporada.
    E o Robozinho made in china kkkkk? Você sabe se ele já divulgou seus próximos eventos turísticos?
    kkkkkkkk Pode ser eventos da sofrência kkkkkkk. Por enquanto só sei de cincinnati kkkkkkkkkkkkk
    A torcida do robozinho com aplique kkkkk – geração Y e Z kkk- deve se arrepender profundamente por tê-lo escolhido como tenista predileto kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Naldaletes, como falei, após a temporada da LAJE kkkkk é só sofrência kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  22. Pedro Dias

    Dalcim,
    Se não me engano, você já falou aqui no blog que considera o Kyrgios o melhor jogador da nova geração. Mas com a evolução do Zverev, você acredita que os dois já estão no mesmo nível? E o Thiem sem ser no saibro assusta menoswye os dos dois, certo?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o Zverev já superou Kyrgios em termos de consistência, Pedro. Claro que o australiano é mais espetacular, mas isso vale menos nesse nível tão alto. E sim, acho que Thiem é mais limitado perante os dois.

      Responder
  23. Marcio

    237.
    302.
    19.
    6.

    Será que em cincinatti um dos números que importam aumentará, de novo??
    O primeiro é impossível, o segundo eu achava impossível mas agora está perto.
    Sensacional!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Previsão ridícula, esta tua…

      Não vislumbro a menor possibilidade do Zverev, ou o Shapovalov atropelarem o Federer.

      O suíço entrará como favorito, contra qualquer deles dois.

      Principalmente com o número 1 em jogo…

      Responder
      1. Pieter

        Mas ele (Federer) terá que elevar o nível de seu jogo.
        Tem dado a impressão de displicência, uma certa preguiça, como se contrariado estivesse…

        Responder
  24. JANAINA M DIAS

    Já pensaram se a final for FEDERER x SHAPOVALOV ?

    O Fed enfrentaria um jogador praticamente 20 anos + jovem, sem nada a perder e com a torcida a seu favor ( e “contra” o suíço – algo raramente visto)..

    Me dá medo..

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Se acontecer, vou torcer pro Shapovalov.

      O Federer já ganhou 2 slams, pode ganhar mais um, e já está com o número 1 quase garantido.

      Além disso, esse segundo semestre ele tem tudo para arrasar…

      Eu quero ver renovação.

      E esse Shapovalov, além de jogar muito, tem CARISMA.

      Vibra, chama a torcida. E não aparece ser um chiliquento, apelão feito o Novak…

      Responder
      1. JANAINA M DIAS

        Também aprecio a renovação e concordo com você, o Shapovalov está mostrando um nível altíssimo de técnica e controle mental pra um recém juvenil..
        Sou fã do Federer, mas não vou ficar triste se o canadense ganhar, ele realmente tá jogando muito e merece..

        Responder
      2. Bruno Macedo

        Eu também torceria pelo menino canadense se ele fosse para final contra o Federer. Apesar de o Federer ser meu tenista preferido, também quero ver renovação.

        Responder
      3. Chetnik

        Pelo menos você tá sendo coerente com o que falava. Já as federetes que usavam a desculpa do “quero renovação” pra ficar chorando que o circuito tava chato querem ver o Federer ganhando tudo.

        Que gente coerente, kkkkk. Mas não me enganam. Conheço todos os truques dessa turma, kkkkk.

        Responder
        1. Nando

          Paulo.Coelho dos comentários, o 1001 faces, a chiliquete-mor…deveria fazer igual ao sérvio: se ausentar e voltar só em 2018.
          Assim poupa a tds dos seus “primorosos e saudáveis” comentários.

          Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Então, Renato.

          Se o Federer vencer (o que é o mais provável) obviamente que também não vou lamentar.

          Mas que seria legal ver o russo obter o título passando por Delpo, Conan, Zverev e Federer, sem dúvida seria…

          Responder
    2. Lincoln

      Medo de que? O federer já não tinha nada mais a provar antes desta temporada começar…

      Zverev ou Shapo, tanto faz qual dos dois cravarem, será muito bem vindo!

      Responder
  25. Evaldo Moreira

    Bom dia,
    Mestre, estava observando aqui, não só estes torneios, mas o que já foram, me impressiona como a dupla Fedal,eles fizeram um limpa no 1 semestre, e agora, que estamos nas quadras duras, sendo elas rápidas ou não, há um ligeiro favoritismo de Federer, pois Nadal, embora esteja bem, mas ao meu ver, sentiu-se pressionado, e não foi adiante, me impressiona, como o espanhol fica a 10.000 metros, kkkkkkkkkkkkkkkkkk, da linha de base, não tem jeito mesmo, ao passo que Federer, pressionado ou não, o homem planta em cima da lina de base, e olhe lá, que ele apronta dentro da base.
    Gooooooooooo Federer…………..

    Responder
  26. AKC

    Finalmente está aparecendo a nova geração. Recebi no meu whatsaap uma foto de um jogo do Nadal e Lopez de há vários anos com o Shapovalov ainda criança posando entre os dois… me lembrou aquela do Federer na final de Basileia com Edberg campeão. Muito legal termos na nova geração dois batedores de backhand de uma mão. Ainda espero que o Kyrgios se cure física e mentalmente, a impressão que dá é que lhe sobra jogo, se ele fosse focado seria um terror.

    Responder
  27. Tiago Castro

    Dalcin, me parece que esse garoto canadense será cobrado futuro do tênis. Tenho a impressão de que os grandes jogadores mostram seu talento logo cedo, mesmo que demore um tempo para ganhar a regularidade necessária.
    Veja que Guga, Sampras, Nadal, Djokovic, Federer e outros fenômenos tiveram vitórias expressivas contra os grandes nomes antes dos 20 anos.
    Pelo que me lembro, Até então não havia acontecido algo desde que o big four se estabeleceu.
    O tênis se renova. Que bom!

    Responder
  28. ' Renato

    Chetnik, não moro na Austrália, moro em Campinas. Onde está o erro na frase que eu escrevi? We’ll é abreviação de we will que veio na frente de “maybe” que indica “possibilidade “. Aliás, vc sabe a diferença entre will, going to e ing para o futuro? Se quiser eu te ensino. Abs Falar de tênis apenas.

    Responder
  29. Bartolomeu

    Essa campanha do Shapovalov, em alguma medida, lembra-me a primeira conquista do Kuerten em Rolland Garros. Entrou para fazer número no torneiro, precisou ir ao ao set derradeiro em várias partidas, muitas vezes virando o jogo, e tendo pela frente uma chave dura, com campeões de slams (Nadal, Del Potro). Essa simetria me faz acreditar que ele pode ser campeão, embora a lógica diga que hoje ele sai fora.

    Sobre Zverev, para mim ele já fez mais do que o imagino em 2017. Nunca duvidei de seu potencial, mas imaginava uma evolução mais lenta. E aí ele ganha um Masters 1000, vai se mantendo no Top 10 e, se a gente olhar o ranking do ano, veremos que a partir da semana que vem ele vai ocupar a terceira posição, atrás apenas de Federer e Nadal. E, a considerar os torneios que vem fazendo, e que o restante da temporada será na quadra dura, acredito firmemente que ele vai terminar o ano na terceira posição e já se coloca como um postulante a começar a ganhar slams a partir do ano que vem, o que não pode ser dito de nenhum outro tenista fora os cachorrões que todos nós conhecemos (acho que o US Open fica com Federer).

    Responder
  30. Bruno

    Gostaria de saber por onde andam os colegas:
    Alice
    Bruno louzada
    Jacacity
    Leo gavio
    Chetnick.
    Alias nao sei como o chet nao apareceu ainda para falar que o shapovalov é russo de origem na chechenia com parentes na ucrania e nada de canafense.

    Responder
  31. Dario Lemos

    Todos estão mais interessados em quem será o numero 1 mas, para mim, o mais importante é o suíço faturar o U20pen e o Finals, o resto seria consequência, as cerejas do bolo. Se o Federer conseguir isso, pode fazer de 2018 seu ” Final Tour” pelas quadras (ok, pode tentar Wimbledon mais uma vez) sem precisar se pressionar para defender esse “caminhão de pontos”.

    Responder
  32. Jonatã Lopes

    Dalcim,
    Os tenistas tem comentado que as quadras de Montreal estão até rápidas. Até o próprio Federer comentou sobre isso. Será que teremos um US Open mais rápido desta vez, mesmo que usem bolas diferentes?

    Responder
  33. Victório Benatti

    Esta frase “correu atrás do prejuizo” é completamente errada. Nunca se corre atrás do “prejuizo”. Sempre se corre atrás do “lucro”. Do “prejuizo” se foge.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Isso é puritanismo com a língua, Benatti. Há dezenas de citações na literatura e é admitida plenamente no jargão esportivo, obviamente com o sentido de “correr atrás de (recuperar) o prejuízo”. Uma boa pesquisa no Google ajuda a esclarecer. Abraço.

      Responder
      1. Victório Afonso Benatti Neto

        O Professor de português mais famoso do Brasil, Pasquale Cipro Neto, disse numa entrevista na televisão que esta frase é um absurdo e deveria ser eliminada, e não cultivada.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Pois é, mas você deve saber que o prof. Pasquale também diz que a língua está em constante mudança e que se forma pelo uso e não pela imposição formal. Não é menos absurdo falar em ‘voltar atrás’ ou ‘dar de graça’, porém são expressões que estão consagradas pelo uso.

          Responder
  34. Rafael Arouca

    Caro Dalcim, ao comentar nos primeiros parágrafos os 109 títulos de Connors, lembro de uma vez ter visto na TV
    num intervalo de um jogo de tênis, estatísticas sobre jogos, número de vitórias em slams – algo que em sua cobertura
    de slams vc também faz – e mais outras estatísticas das mais variadas possíveis. E aí percebemos que em algumas delas
    Connors ou lidera ou fica em 2º lugar. Incrível!
    Abraço

    Responder
  35. Luis

    Dalcim parece que o pessoal do Sportv Le o blog algumas coisas sao Comentadas la rs da Conspiracao pra Federer ser 1 foi engracado rs,Dalcim com Titulo de Montreal Federer nao precisa ser Campeao de Cincinnati com Nadal Caindo antes? Claro que a Chance em Cincinnati e’ ate Maior que no Canada 7 Titulos do Suico como vc escreveu,Tomara que Federer alcance o 1 a Cereja do bolo em 2017 rs e se der US Open ….

    Responder
  36. João Marcelo

    Os recordes de lendl serão todos triturados pelo mestre, agora até mesmo o recorde do chamado “Túlio maravilha do tênis” já que construiu seu estoque de títulos baseado basicamente em vitórias em ATP 250 e 500 esta ameaçado uma vez que o próprio federer disse que poderá jogar até 40 anos. Se federer bater os 109 títulos o terá feito com uma qualidade de títulos muito maior. De qualquer forma mesmo com 93 acho que não dá nem pra tentar se comparar connors com federer

    Responder
  37. Carlos Lira

    O garoto canadense é muito bom jogador, mas ainda erra muito. Se ele diminuir o número de erros não forcados vai longe já na próxima temporada, já que ele tem potência nos golpes.

    Responder
  38. Chetnik

    Realmente, o tênis está caindo pelas tabelas. Tenho que dar razão aos colegas federetes que já haviam alertado. Às vezes eles acertam rs.

    Responder
    1. Bartolomeu

      Não sei exatamente a que se refere por caindo pelas tabelas.

      Se for ao fato de Shapovalov e Zverev, jovens jogadores, terem jogados às rodadas decisivas, basta lembrar o quanto o Djokovic sofreu nas mãos dessas nova geração até pedir água, vide a final do masters de Roma contra o Zverev e as seguidas derrotas que sofreu para o Kyrgios, muito diferente do papelão feito por Raonic, Dimitrov, Nishikori e outros que surgiram quando o sérvio estava no auge e Nadal e Federer lutavam para reencontrar o seu melhor tênis.

      O fato é que o circuito vai muito bem, com a renovação necessária, jogadores agressivos e versáteis surgindo, e, como isso não bastasse, com os dois maiores e melhores tenistas dos últimos 15/ 20 anos disputando, cabeça a cabeça, títulos e a posição de número 1 do mundo. O que mais você quer?

      O que mais você quer?

      Responder
      1. Chetnik

        Meu critério é simples. Aprendi aqui que os últimos anos foram os piores do tênis. Nível fraquíssimo. Esse ano, pra piorar, os dois melhores disparados desses últimos anos estão caindo pelas tabelas. Então, por uma questão de lógica, o que já era ruim ficou pior.

        Tanto é que o saco de pancadas mor do tenista que dominou os “piores anos da história do tênis” está se aproveitando dessa queda abrupta do Djoko e, via de consequência, do circuito.

        Responder
        1. O LÓGICO

          DJOKOVET desolada kkkkk você tá proibida de usar a palavra “lógica” em seus textos, sem minha autorização kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          Responder
        2. André Luiz

          O circuito parece ter melhorado muito.
          A prova, talvez, seja as dificuldades que Djokovic, que dominou 2015, está tendo diante da nova geração.
          Já perdeu duas pra Kyrgios esse ano; foi vice de Zverev em Roma; e tomou pneu de Thiem em RG.
          Aparentemente, foi um rei da entressafra.

          Responder
    2. Mário Fagundes

      Lamento por seu ídolo estar fora de combate, mas essa afirmativa de que “o tênis está caindo pelas tabelas” não tem o maior cabimento. Talvez seja melhor para você retornar somente em 2018 juntamente com o Bobo da Corte. rsrsrsrs

      Responder
  39. Pieter

    E o recém-adquirido maravilhoso backhand de Federer ainda não deu as caras em Montréal…Alguém o viu por aí?
    Me pergunto se a instabilidade no jogo do suíço não seria por causa das rajadas de vento na quadra…
    Dalcim, está pintando uma emblemática final entre a velha guarda e a novíssima geração no tênis masculino.
    Quais as chances de cada um? Refiro-me, é claro, a Zverev e Federer…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Zverev já venceu Federer, assim como perdeu com folga recentemente em Halle. Acho que o suíço leva sempre alguma vantagem pela vasta experiência e maiores possibilidades técnico-táticas, porém o alemão está muito confiante.

      Responder
      1. Pieter

        O que pode atrapalhar o Zverev, se o este chegar à final amanhã, talvez seja a sequência de jogos desde Washigton, embora ele não tenha se desgastado muito.
        O Federer que trate de vencer, enquanto é tempo…rs

        Responder
  40. Diego Bezerra

    Olá Dalicim, agora sim há uma grande Margem real de Federer ser#1dentro de 2 semanas, Nadal caiu antes do esperado, Federer tem tudo nas mãos p chegar a mais uma Final, go Roger!!!

    Responder
  41. Sérgio Ribeiro

    Pois é , Dalcim. O amigo chamou de burocrático o jogo do Craque hoje. Mas achei Federer bem mais ligado, não menosprezou Bautista, e méritos se Voleia tão bem e baixa a bolinha como ninguém. Deve elevar o nível na Semi e na possível Final. Não se cobrou tanto com mais alguns ENFs. O Back melhorando um pouquinho bate Haase sem muitos sustos. E Mannarino não havia perdido um único Set. Inacreditável. Mas o próprio mostrou que o Prodígio vai precisar operar uma mágica em cima de Zverev. Vou torcer por ele mas… ABS !

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É fácil, Renato. Basta você ver o posicionamento do tenista na quadra. Os que batem na subida ficam sempre muito perto da linha de base, já que isso é fundamental para isso. Os que preferem bater mais atrás da linha obrigatoriamente pegam a bola na descida. Abs!

      Responder
  42. Nando

    Mestre, Zverev já é o 3° na corrida com essa ida à semi…se chegar à final, tbm passa Thiem e vira 7° no de entradas. Fazia mto tempo q um “nextgen” não fazia um ano tão bom.
    Essa semi entre os moleques será boa (desde q Shapovalov esteja bem fisicamente).
    E o Rei, tem q entrar ligado, não cair na pilha de quem acha q ele ganhará fácil…ele tem q fazer o jogo ficar assim. Focado, elevando o nível, assim ele pode chegar à final.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *