Qual o limite de Federer?
Por José Nilton Dalcim
16 de julho de 2017 às 19:50

Há cinco anos, quando conseguiu reconquistar Wimbledon num grande esforço, parecia que o 17º Grand Slam era um número definitivo para Roger Federer. Afinal, ele já se aproximava dos 31 anos e veria Rafael Nadal recuperar sua melhor forma na temporada seguinte e depois lutaria contra o auge do domínio de Novak Djokovic, sem falar no crescimento de Andy Murray e nas beliscadas de Stan Wawrinka e Juan Martin del Potro.

Ele entendeu então que teria de mudar. Começou pela raquete, que hoje se prova um fator essencial, e passou por treinadores improváveis, como Stefan Edberg e Ivan Ljubicic. Reinventou-se, fez grandes exibições, mas nem assim conseguiu um novo Slam. O destino no entanto não o esqueceu. Foi preciso um problema médico com seu joelho para que ele tivesse de se afastar seis meses do circuito, período em que cuidou do físico, se adaptou perfeitamente à raquete e recuperou a alegria e leveza de jogar.

O Federer versão 2017 é certamente o melhor de todos que já vimos. Além do repertório ainda mais vasto, virou um jogador aplicado na parte tática, estável no plano emocional. Junte-se a isso seu estilo agressivo e um físico privilegiado para se ter um tenista difícil de ser batido até mesmo nas condições mais lentas do circuito de hoje. Roger nunca devolveu tão bem, usou tantas paralelas dos dois lados, encheu a bola de tanto topspin ou foi tão pragmático para construir pontos e se defender.

A pergunta obrigatória é: qual o limite de Federer? Estilo econômico, tênis moderno, pernas ágeis, nada o impede de jogar mais uma ou duas temporadas. Arriscaria a dizer que 2020 está totalmente a seu alcance. E se o fizer, sempre será candidato a ganhar mais títulos, mais Slam, principalmente quando pisar na grama ou numa quadra veloz. Dono de recordes e marcas de difícil superação até a longo prazo, a história permanecerá a seu alcance quase toda semana.

A final deste domingo teve pouca emoção, que pena. Cilic desperdiçou um break point no começo do jogo e de repente sumiu de quadra. Chorou no intervalo para o segundo set, pediu atendimento antes do terceiro e só então voltou a apresentar um tênis decente, porém muito distante do que vinha fazendo no torneio. Afirmou que a bolha no pé gerava tanta dor que não conseguia se concentrar, daí ser estranho ele ter demorado dois sets para cuidar do problema. Assim, Federer não precisou fazer nada de espetacular, exceto jogar seu tênis eficiente e ofensivo.

Pela primeira vez desde 2009, Federer ganha dois Slam na mesma temporada e a expectativa agora é por uma luta direta entre ele e Nadal pela liderança do ranking, algo que não acontece desde 2010. O que deve esquentar o US Open e talvez transformá-lo em outro Grand Slam mágico desta notável temporada.

Que sortudos somos todos nós.

A façanha de Melo
Num país em que quadra de grama é algo tão raro como político honesto, Marcelo Melo tem de ser muito enaltecido pela espetacular campanha em Wimbledon ao lado do polonês Lukasz Kubot. Os dois conseguiram chegar ao ápice do entrosamento, dividindo responsabilidades, grandes lances, resistência física e emocional para superar tantos duelos longos e tensos na campanha.

Duas coisas me deixam especialmente satisfeito. Ouvi críticas e senti um certo menosprezo quando ele chegou pela primeira vez à liderança do ranking, 18 meses atrás, como se não merecesse tudo aquilo. Girafa agora cala de vez as vozes dissonantes. Nada mais incrível e indiscutível do que chegar ao topo com um troféu desse quilate.

É honroso termos dois duplistas de sucesso num circuito tão competitivo. Melo e Bruno Soares nos deram quatro diferentes conquistas de Grand Slam na dupla masculina e quebram séries que pareciam perdidas no tempo. Melo interrompeu 51 anos de jejum em Wimbledon, assim como Bruno havia sido o primeiro a faturar três Slam numa mesma temporada desde Maria Esther.

Segundo profissional brasileiro com maior faturamento na história, já acima dos US$ 5,2 milhões, Melo prova que jogar dupla é também um ótimo e respeitoso caminho a se seguir.

Muguruza confirma
Ninguém ganha um título do tamanho de Wimbledon por acaso, mas é necessário dizer que Garbiñe Muguruza mereceu muito esta conquista. Desde a primeira partida, mostrou um estilo agressivo, aprimorou os voleios, jogou com coragem. Quando derrotou a número 1 Angelique Kerber indo 52 vezes à rede, ficou claro que estava pronta.

Muguruza representou aquela antiga qualidade, hoje um tanto perdida, de modificar técnica e tática ao mudar do saibro para a grama. Lição certamente aprendida dois anos atrás, então uma surpreendente finalista diante de Serena Williams. Tomara que novo aprendizado surja agora e evite o deslumbramento que viveu ao conquistar Roland Garros e perder totalmente o foco.

A final contra Venus só teve emoção no primeiro set. Depois que salvou dois set-points, Muguruza cresceu na confiança e Venus baixou intensidade, cometendo muitos erros. Curioso ver que uma espanhola volta a ganhar na grama justamente ao superar adversária de 37 anos, repetindo Conchita Martinez frente a Martina Navratilova. Coisas do tênis. Venus, sempre simpática, garantiu que vai tentar de novo.


Comentários
  1. Carlos Alberto Alves

    Pessanha, bom dia. Sempre leio e admiro seus comentários aqui no blog, mas desta vez permita-me discordar que os outros três do big four não ganharão mais Slams, penso como muitos aqui que a nova geração é muito fraca, e que não inspira nenhuma ameaça à esses 4 gigantes, acho que dentre os outros três o siri careca será sempre candidato na laje, e o Djoko se voltar para o seu mental normal (que muitas vezes só funciona quando está ganhando), e o físico estiver legal pode ser que belisque mais uns dois aí, vale lembrar que se o rei estiver com esse apetite todo sempre será uma barreira a ser ultrapassada, e por fim o Murray com o quadril baleado é o que vejo com menores possibilidades. Mas os seus comentários sem dúvida são sempre muito bons.
    Márcio, acho que rolou muita picanha no 19o Slam do GOAT, hein?….rsrsrs, ver o Federer jogar é algo que temos que agradecer todos os dias!! Ele faz o tênis parecer um dos esportes mais fáceis do mundo tamanha genialidade que possui, é impressionante! E por fim mestre Dalcim, o Federer se aposentar após Nadal e Djoko, seria a redenção, mas como duvidar de um gênio destes, não é verdade? Se permite mestre tenho uma última, o Federer poderia realmente montar um calendário com somente M1000 e Slam?

    Abraços à todos torcedores do Rei, rumo ao 20o.

    Responder
  2. samuka

    Diante dos feitos de Roger Federer e dos comentários aqui do blog, queria registrar minha opinão. Tenis é um esporte que permite um tenista ganhar um partida sem ser o melhor.Varias são as maneira e estratégias que podem levar um tenista a uma vitoria.Vejam, Rafael Nadal e Djokovic tem h2h favorável diante do suíço, mesmo assim ele é considerado pela maioria dos analistas, o melhor de todos os tempos…por isso, na minha opinião, independente de numero e recordes,apenas por sua maneira de jogar, considero Roger o melhor, nem me preocupo com números!quando alguém discordar dessa afirmação, mostre a ele um video de Roger jogando, rsrsrs.Simples!

    Responder
  3. SPIDER

    Fedex vem com tudo nessa segunda parte da temporada. Acho que agora ele vai mirar no número um, para aumentar ainda mais seu recorde. É impressionante ver o gênio suiço desfilar seu talento pelas quadras. Aproveitem enquanto podem. Vida longa ao REI !!!

    Responder
  4. Rafael Wuthrich

    Dalcim veio tão rápido com os novos posts que estou atrasado nos comentários… Bom, não resta muito a falar sobre a histórica conquista de Federer. O suíço arriscou ao pular o saibro, jogou toda a pressão sobre si, mas colheu frutos em uma campanha impecável. Jogou de forma eficiente 3 jogos, fez duas excelentes apresentações (Berdych e Dimitrov) e uma atuação exuberante (Raonic), contando com um abandono na estreia. Pode-se dizer que foi de fato um dos Slams mais tranquilos do suíço, como há uns 10 anos não tinha. Mas registre-se que jogou muito bem nos momentos que precisou, eficiente na hora certa e magistral e genial quando necessário – como no tie break final contra Raonic. Assim como Rafa Nadal em RG, seria quase impossível que, jogando bem, o suíço perdesse o título.

    Concordo com os comentaristas que espinafraram a final e o nível técnico geral do torneio. Foi uma das piores realmente – e coloco junto no barco com outras várias, tal qual a de RG/17, a do US Open de 2012 e outras de péssimo nível técnico. Federer teve que jogar 5 games: pressionou CIlic, se salvou no 2o game, jogou mais dois games duros e finalmente quebrou o croata no 5º game. Daí em diante, já diante de um adversário jogando no limite, em razão de suas limitações, nem precisou jogar seu melhor. Croata desabou mentalmente, sabendo da montanha que teria que escalar com limitações físicas, a ponto de chorar. Daí foi só arrastar a decisão até o final. Se foi bom pra quem queria o título do suíço sem emoção (confesso que fui um deles), de fato como fã de tênis essa será a conquista menos celebrada tecnicamente. Não porque o suíço não fosse vencer ou estivesse ali porque não tinha outro do big 4 ali: no nível de 2017, dificilmente perderia o título quaisquer fossem os adversários. Contra Dimitrov, Berdych e especialmente Raonic, mostrou-se totalmente adaptado e em ótima forma física, técnica e principalmente tática. O problema foi mesmo a ausência de uma disputa tecnicamente decente. Louve-se Cilic por ter aguentado até o final e ter ressaltado que jamais abandonaria – assim como Federer, jamais abandonou uma partida sequer. Se há o risco de agravamento da lesão, em contrapartida há o respeito pelo público, que pagou ingressos caríssimos para assistir uma partida, ainda que não tenha sido competitiva em 90% do tempo.

    Entretanto, Wimbledon esse ano foi uma decepção atroz. Nível técnico mediano para baixo, onde poucos bons jogos se salvaram (Nadal x Muller, Federer x Raonic, CIlic x Muller e Berdych x Thiem foram bons jogos, mas pouco para o maior torneio do ano). As quadras esfareladas, cuja grama virou um saibrão já na 3a rodada, a lentidão do piso e a má forma física de vários tenistas deixou o torneio com uma cara de várzea. A decisão de manter uma lentidão, além do clima quente e seco, destruiu as quadras e nivelou para baixo o jogo, inibindo o jogo de rede e acabando com os fundos de quadra da maioria das quadras. O AELTC tem que rever isso com urgência para 2018 – WB foi um fiasco em termos gerais, desde a organização (adiamento do jogo do Djokovic, lentidão da quadra, baixa durabilidade da grama, demora no atendimento de Mattek Sands) até o nível geral, que encontrou vários tenistas lesionados ou sem quaisquer condições físicas.

    Ressalte-se, no entanto, a chave de duplas masculinas. Lotada de jogos de altíssimo nível técnico, a modalidade nos premiou com aquela que foi a melhor final em TODAS as chaves, e de longe. Um jogaço, com alternativas, jogadas maravilhosas, voleios, trocas de fundo, devoluções matadoras, viradas, 5o set longo. Não daria para pedir mais. E um tapa na cara daqueles que defenestram a modalidade, reclamam da transmissão de jogos no lugar de jogos de simples e ignoram solenemente a importância dela no tênis brasileiro – sobretudo tendo gigantes como Bruno Soares e Marcelo Melo carregando o país nas costas, e que não recebem o devido reconhecimento fora do meio tenístico pelo que alcançam no esporte.

    Aliás, cabe aqui um adendo. Li no grupo do whastapp uma discussão de gente reclamando sobre a transmissão de jogos das duplas. Meus caros, e me dirijo a esses detratores, esse título histórico, e da maneira como foi, é a resposta que vocês precisavam. O melhor torneio foi o de duplas masculinas, de longe, e a melhor final também. Se você é fã de tênis, trocaria qualquer jogo de simples nesse torneio pela final de duplas para assistir. E se qualquer espectador assistisse a essa final sem conhecer o tênis , se apaixonaria pelo esporte. Viva as duplas!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa, Rafael. Pular o Saibro e’ jogar pressão sobre si ? Seu Foco era a Grama. Chegou inteiro fisicamente para encarar qualquer um . Se chega cansado aos 36, não Sacaria de forma tão exuberante. Venceu 31 Sets consecutivos contando com Halle. E ganhou confiança no Show que deu em Zverev na Final ( havia perdido ano passado). O SLAM caiu muito com as más atuações do N 1 e do N 2 . E Wawrinka e Nadal caíram cedo. Embora este ao menos deu jogo com Muller. Em relação às Duplas , porque com 2 Canais na ESPN e mais SporTV , não ter um somente pra elas. Tinham alguns duelos no feminino e no masculino que não podiam ficar de fora , a meu ver. Abs!

      Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Olá, Sergio. Ora, ao pular o saibro e declarar que estava se preparando para WB, é óbvio que colocou o favoritismo todo sobre si, e com ele, pressão.

        Responder
      2. Mário Fagundes

        Concordo com Rafael, quando o mesmo fala sobre a pressão que Federer contraiu com a decisão de pular o saibro. Lembre-se de que nas primeiras rodadas ele confidenciou que jogara nervoso. Como pode Federer ter sentido nervosismo a esta altura da carreira com tudo o que venceu? Deve ter sido mesmo pela pressão e “obrigação” de vencer Wimbledon.

        Responder
  5. Neto Gomes

    O ponto crucial para o renascimento de Federer foi o grande jogo contra Nadal no AO. No quinto set, estava perdendo de 3 a 1 e conseguiu virar e faturar mais um título.

    Se tivesse perdido, iria, mais uma vez, ouvir críticas de especialistas e amadores querendo aposentá-lo.

    Depois dessa batalha épica, Federer turbinou sua mente, ficou transbordada sua confiança. ..

    Acompanho tênis há pouco tempo, mas acredito que as piores derrotas de ambos ocorreram na Austrália. Em 2009, após perder para Nadal, Federer disse emocionado “Talvez eu tente outra vez ou talvez não. Isso está me matando.” E neste ano, Nadal ficou muito abatido por não conseguir impedir a reação do suíço.

    A vitória mais festejada de Nadal, como ele revela em seu livro, foi em 2008, ao derrotar Federer em Wimbledon. E a mais comemorada de Federer, imagino que seja a deste ano, no AO.

    Djokovic é um excelente tenista, “osso duro”, atingiu um nível absurdo em 2015, na parte técnica e principalmente na mental. Parecia uma máquina. Inabalável. Mesmo assim não é o grande rival de Federer.

    Nadal é e , talvez, sempre será o grande adversário de Federer.

    Nadal e Federer eleveram o nível no tênis, um por causa do outro. E os demais tenistas que “pagavam/paga o pato”.

    Torço para Federer, mas admiro os outros 3 do Big Four e também Wawrinka, Del Poltro.

    Vivemos numa época mágica. Daqui uns vinte anos poderemos contar pro nossos filhos/netos sobre o Big Four e seus coadjuvantes como se fossem heróis de revistas em quadrinhos. ..rsrsrs…
    A esquerda diabólica de Stan, o domínio assustador de Nadal no saibro, a determinação de Murray (não tem bolas perdidas), a técnica refinada em devolver bolas de Djokovic, e o gênio/lenda/ mito Federer.

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Acredito eu, porque Connors, Edberg, Becker, McEnroe e principalmente Pete Sampras não o fizeram. O criticavam por não fazer nada diferente para bater o Rei do Saibro.. Novak já perdeu as mesmas QUINZE para o Canhoto. Abs!

        Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Com apenas 5 SLAM fora do Barro o amigo acha mesmo que Nadal teve grande responsabilidade nestes 19 SLAM de Federer , amigo ? Somente fizeram 5 FINAIS em todos os outros Pisos. Com 3 X 2 para o Suíço ate’ o momento. Em Rolanga foram 4 X 0 para o Espanhol. Dai 15 X 2 para o Rei do Saibro em seu habitat. E 12 X 8 para o Rei da Grama nos outros Pisos. Já existem mais confrontos entre Novak e Rafa , e Novak X Roger. Abs!

      Responder
  6. Fernando Pimentel

    Rapaz, hoje passaram uns 5 minutos de Federer no Jornal Nacional.. será que o suíço tá com moral? Considerando o fato do tênis ser um esporte tão desmoralizado no Brasil, esse pode ter sido um primeiro passo pra mudar essa visão idiota de “esporte de elite” que a esmagadora maioria dos brasileiros possui.

    Responder
  7. ATHOS

    Que alegria em ver o rei levantar mais um caneco , ver aquele que me fez ver o tênis e me apaixonar pelo esporte ,
    Ver aquele que me fez ser mais educado
    Ver aquele que me fez amar o esporte a ponto de me fazer diminuir ou quase parar meus futebolzinhos de finais de semana rs
    Ver aquele que me faz ter ‘brigas ” com minha esposa quando tem jogo dele e quando não tem pq coloco na tv videos dele
    ver e me emocionar com cada gesto ,cada movimento ,cada detalhe , cada obra de arte que ele é capaz de fazer a cada jogo
    ver aquele que me faz dar gritos e me perguntar , como ele faz isso ??
    ver aquele que me motivou a comprar uma raquete e começar a bater minhas bolinhas e entender pq ele ama tanto fazer isso
    ver aquele que me faz agradecer a Deus por ter o sentido da visão e poder contemplar Roger Federer prestar homenagem ao tenis. Agradecer a Deus por ter criado um gênio que e eu estou podendo acompanhar ele fazendo história.

    Podem ganhar de Roger ,mas nunca jogarão como Federer .

    Pelé
    Jordan
    Michael Johnson (a ordem pouco importa ,mas esses Gênios só nascem a cada 100 anos )
    Phelps
    Messi
    FEDERER

    Dalcim

    Você poderia ter um canal no you tube com análises com videos curtos ou longos , dicas cronicas convidados
    ou gravar videos com seus comentarios e postar no grupo do zap , seria uma honra poder ver e ouvir aquele que eu entendo como maior conhecedor de tenis do Brasil .
    Parabéns por todo empenho e dedicação para nos ensinar mais sobre o esporte.
    Deus abençoe a todos .

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Athos. Existem, sim, alguns projetos, quem sabe… E gostei muito da sua frase: Podem ganhar de Roger, mas nunca jogarão como Federer. Parabéns!

      Responder
  8. Diego Bezerra

    Olá Dalcim, lendo alguns dos vários comentarários, percebi q algumas pessoas acharam a final meio sem devido ao desequilíbrio emocional de Cilic e é claro o seu calo. De ante disse nesses seus longos anos acompanhando o tennis, vc já presenciou tal descontrole emocional feito o do croata? Vale lembrar q Nadal passou por uma situação ainda mais difícil na final do Australian 2014!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Confesso nunca ter visto um lance assim no masculino. Lembro bem do descontrole da Hingis na final de Roland Garros contra a Graf e da Lisicki em Wimbledon. Isso certamente estragou o jogo, mas mostra o lado humano desses monstros do tênis, que por vezes esquecemos. Como ver o Federer chorar depois de tantas e tantas conquistas. Muito legal.

      Responder
  9. Erick Fioretti

    Caro Professor Dalcim,

    Um texto à altura do feito alcançado pelo GOAT. Parabéns!

    Sobre o trecho “afirmou que a bolha no pé gerava tanta dor que não conseguia se concentrar, daí ser estranho ele ter demorado dois sets para cuidar do problema”, o croata afirmou após a partida que o médico e o fisioterapeuta da ATP (Alejandro?) o acompanharam de perto nas últimas 30 horas antes da final.

    Assim, acho que vale uma menção honrosa ao Cilic por ter lutado até o final, apesar da lesão. Aliás, na entrevista ainda na quadra ele elegantemente não a mencionou como desculpa para o resultado. Sem dúvida foi uma bela atitude, não concorda?

    Gostaria de destacar a emoção do suíço ao ver os filhos em seu box , o que foi objeto de seus comentários pós-jogo. Claramente, seguindo o mesmo critério utilizado quando as filhas nasceram, o gênio adoraria que seus filhos o assistissem (e entendessem) sendo campeão. Acredito, sinceramente, que esta seja sua maior motivação hoje. A bem da verdade, a glória já não é mais novidade para ele.

    Dessa forma, o 2020 sugerido por você parece bastante plausível e razoável. O que acha?

    Um grande abraço e bora para o US Open!!!! Você vai?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, o Cilic desabou na questão emocional mas teve comportamento muito decente, aliás como me parece sempre teve. Ainda decidindo se vou a Nova York, mas é bem provável que eu troque pelo frio de Londres… rsrs…

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Vá pra NY se puder meu bom Dalcim. Você é pé quente pro suíço: em 2011 você viu Federer esmagar Nadal na O2 com direito a pneu…Quem sabe com você lá vem o 20º Slam e o 6º em NY depois de 9 anos?

        Responder
  10. Antonildo S Costa

    Não quero pensar muito no qual seja o limite de Roger, prefiro falar das minhas perspectivas para o restante da temporada. Torcerei para que o Federer vença o USOPEN, FINALS, e atinja o topo do ranking. E de já torcer pra uma possivel vitória no premio Laureos em 2018, e se isolar como o espotista que mais ganhou o Óscar do esporte.

    Responder
  11. Fabio F

    Tenho nada a acrescentar a todas as análises efetuadas até aqui. Li ótimas avaliações, estatísticas e resenhas. O homem é fenomenal, inspirador, espantoso. Sua nova postura de apego à tática e ao seu plano de jogo, além de demonstrar seu amadurecimento, indica que o homem é, na verdade, um mutante. Assusta, até!
    Honras à bravura de Cilic – ainda que prevaleça o argumento de que ele teria “amarelado”, continua sendo memorável sua demonstração de bravura e persistência!
    Li o artigo abaixo, achei interessante e compartilho com os que ainda não se cansaram do tema… rsrs
    http://bleacherreport.com/articles/2721967-14-years-after-first-conquering-wimbledon-roger-federer-still-mens-tennis-king

    Responder
  12. Marcelo

    Histórico esse oitavo título de Wimbledon, 19º slam e 93º ATP de Federer! Agora imagino que ele queira ganhar Cincinatti, US Open, Basel e o Finals. Talvez outro Masters 1000, mas esses torneios são mais especiais para o suiço, e creio que ele vem forte.
    Com Djokovic e Murray sob risco de não jogarem os próximos torneios, Nadal ganha muitas chances de bons resultados, assim como Wawrinka, Cilic, Zverev e outros. Esses meses serão bem interessantes.

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Dalcim, pensei agora: com essa postura de jogar poucos torneios, perspectiva de sempre se desgastar menos que os adversários e diante das lesões de seus principais concorrentes será que podemos imaginar que Federer, jogando até 2020 que seja, se aposentaria depois de Nadal, Djokovic e Murray? Pra mim seria surpreendente.

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Olha, não ficarei tão surpreso. Murray já andou falando que não tem mais dois anos de alto nível, Nadal sempre preocupa com alguma lesão grave. Djokovic talvez tenha chance de ir mais longe, mas mentalmente será que terá motivação?

        Responder
  13. Carlos

    Segue o ranking atualizado de títulos, que consdera 4 pontos para o vencedor de Wimbledon, 3 para US Open, 2 para Roland Garros e 1 para Australian Open. Federer é o maior de todos os tempos! Federer, Sampras, Nadal, Borg e Djokovic são top 5 da era aberta nos slams.

    TENISTA W US RG AO Total de pontos
    R. Federer 32 15 2 5 54
    P. Sampras 28 15 0 2 45
    R. Nadal 8 6 20 1 35
    B. Borg 20 0 12 0 32
    N. Djokovic 12 6 2 6 26
    R. Laver 12 6 4 3 25
    J.McEnroe 12 12 0 0 24
    J. Connors 8 15 0 1 24
    R. Emerson 8 6 4 6 24
    J. Newcombe 12 6 0 2 20
    B. Becker 12 3 0 2 17
    I. Lendl 0 9 6 2 17
    S. Edberg 8 6 0 2 16
    A. Agassi 4 6 2 4 16
    K. Rosewall 0 6 4 4 14
    M. Wilander 0 3 6 3 12
    A. Murray 8 3 0 0 11
    A. Ashe 4 3 0 1 8
    Kodes 4 0 4 0 8
    S.Smith 4 3 0 0 7
    L. Hewitt 4 3 0 0 7
    G. Villas 0 3 2 1 6
    S.Wawrinka 0 3 2 1 6
    G. Kuerten 0 0 6 0 6
    J. Courier 0 0 4 2 6
    I. Nastase 0 3 2 0 5
    P. Cash 4 0 0 0 4
    R. Krajicek 4 0 0 0 4
    G. Ivanesevic 4 0 0 0 4
    S. Brugera 0 0 2 0 4
    M. Orantes 0 3 0 0 3
    A. Roddick 0 3 0 0 3
    J. Del Potro 0 3 0 0 3
    Y. Kafelnikov 0 0 2 1 3
    A. Gimeno 0 0 2 0 2
    A. Panatta 0 0 2 0 2
    Y. Noah 0 0 2 0 2
    M. Chang 0 0 2 0 2
    A. Gomez 0 0 2 0 2
    C. Moyá 0 0 2 0 2
    A. Costa 0 0 2 0 2
    J. C. Ferrero 0 0 2 0 2
    J. Kriek 0 0 0 2 2
    M. Edmonson 0 0 0 1 1
    R. Tanner 0 0 0 1 1
    V. Gerulatis 0 0 0 1 1
    B. Teacher 0 0 0 1 1
    P. Korda 0 0 0 1 1
    T. Johansson 0 0 0 1 1
    M. Safin 0 0 0 1 1

    Responder
    1. Carlos

      Segue o ranking com as correções referentes ao Safin (um USOpen) e ao Stich (Wimbledon 91). Agradeço aos colegas.

      TENISTA W US RG AO P
      1 R. Federer 32 15 2 5 54
      2 P. Sampras 28 15 0 2 45
      3 R. Nadal 8 6 20 1 35
      4 B. Borg 20 0 12 0 32
      5 N. Djokovic 12 6 2 6 26
      6 R. Laver 12 6 4 3 25
      7 J.McEnroe 12 12 0 0 24
      8 J. Connors 8 15 0 1 24
      9 R. Emerson 8 6 4 6 24
      10 J. Newcombe 12 6 0 2 20
      11 B. Becker 12 3 0 2 17
      12 I. Lendl 0 9 6 2 17
      13 S. Edberg 8 6 0 2 16
      14 A. Agassi 4 6 2 4 16
      15 K. Rosewall 0 6 4 4 14
      16 M. Wilander 0 3 6 3 12
      17 A. Murray 8 3 0 0 11
      18 A. Ashe 4 3 0 1 8
      19 Kodes 4 0 4 0 8
      20 S.Smith 4 3 0 0 7
      21 L. Hewitt 4 3 0 0 7
      22 G. Villas 0 3 2 1 6
      23 S.Wawrinka 0 3 2 1 6
      24 G. Kuerten 0 0 6 0 6
      25 J. Courier 0 0 4 2 6
      26 I. Nastase 0 3 2 0 5
      27 P. Cash 4 0 0 0 4
      28 M. Stich 4 0 0 0 4
      29 R. Krajicek 4 0 0 0 4
      30 G. Ivanesevic 4 0 0 0 4
      31 M.Safin 0 1 0 1 4
      32 S. Brugera 0 0 2 0 4
      33 M. Orantes 0 3 0 0 3
      34 A. Roddick 0 3 0 0 3
      35 J. Del Potro 0 3 0 0 3
      36 Y. Kafelnikov 0 0 2 1 3
      37 A. Gimeno 0 0 2 0 2
      38 A. Panatta 0 0 2 0 2
      39 Y. Noah 0 0 2 0 2
      40 M. Chang 0 0 2 0 2
      41 A. Gomez 0 0 2 0 2
      42 C. Moyá 0 0 2 0 2
      43 A. Costa 0 0 2 0 2
      44 J. C. Ferrero 0 0 2 0 2
      45 J. Kriek 0 0 0 2 2
      46 M. Edmonson 0 0 0 1 1
      47 R. Tanner 0 0 0 1 1
      48 V. Gerulatis 0 0 0 1 1
      49 B. Teacher 0 0 0 1 1
      50 P. Korda 0 0 0 1 1
      51 T. Johansson 0 0 0 1 1

      Responder
  14. Luiz Henrique

    Passei 38 horas na fila de Wimbledon para vê-lo jogar na primeira rodada!! Me senti muito agradecido e ao mesmo tempo um pouco frustrado por tanto Federer como Djoko terem seus jogos encurtados por desistência

    Dalcin, como eh a visão da organização e dos outros tenistas sobre quem não da direito a outro jogar com condições, eh claro que alguns acredito jogar somente pelo dinheiro

    Abraços

    Luiz

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O assunto tem sido muito discutido, Luiz Henrique, e a ATP já adotou uma norma para premiar o tenista que não entra em quadra por contusão para tentar diminuir essa questão. Espero que os Slam sigam a ideia.

      Responder
  15. Renato

    Dalcim. O sonho de Federer era vencer mais uma vez Wimbledon. Feito! Agora é provável que ele jogue mais relaxado do que nunca, sem pressão, concorda? Quais são os maiores vencedores do U.S Open? Abs

    Responder
  16. Luis

    Dalcim bom titulo do texto a pergunta onde Federer ate onde vai Federer nos Slams chega nos 20,consegue recorde de titulos,volta ao numero 1 tudo parece possivel pra esse suico rs,ate que ano consegue jogar nesse nivel seu estilo e nas entrevistas fazem pensar que fica mais anos no tenis pra nossa sorte se sente feliz em quadra ainda rs,Dalcim esse recorde de 20 slams parecia distante no masculino ? Mas Federer ta muito perto alcancar,se deixarem suico ganha o Us open tambem rs,valeu o dia a conquista do 8 talvez ja 2017 mas tem mais rs, O semideus voltou Soninha kkkk

    Responder
  17. Renatinho

    Dalcim, acho que pelo fato de não surgir uma nova geração que incomode tudo é possível. Criei até uma suposição. Suponhamos que federer chegue ao 21°slam e se aposente ao 38. Nadal ainda estaria com 33. Cada vez mais o tênis de simples está mais longinquo e a geração nova não consegue incomodar de forma efetiva o big four. Desta forma é perfeitamente possível o Nadal ganhar mais uns poucos slans até os 33 e se djo com 32 tiver novamente no seu grande nível embalar conquistas tb. Suponhamos que neste exemplo Federer tenha 21 slans e nadal 17. Nadal precisará de mais 5 ou 6 anos para fazer 5. Ocorre que se djo não voltar ao grande nível e a geração nova continuar não sendo capaz de incomodar a tendência é que sem um adversário top amplie mais ainda a marca. Evidentemente estou no campo do “se” e não se sabe o que ocorrerá. Só estou querendo mostrar que enquanto não chegar o dia do Nadal e Djo encerrar a carreira tudo é possível. Falo isso pq um é 5 anos mais novo que Federer e o outro é 6 anos. Existe 90 por cento de chance de no dia que Federer aposentar eles terem mais uns 5 ou 6 anos de tênis. Se Djo em referida época de aposentadoria do Federer estiver no seu melhor nível e Nadal no seu melhor nível e sem uma geração nova para incomodar é possível que engrenem títulos grandes.Agora se isso ocorrerá ninguém sabe, mas é possível. Dalcim, se Federer chegar ao 20° este ano é possível ser ultrapassado o número de slans dele ainda?

    Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Acho que, além de não sabermos o que acontecerá em diante, o histórico de lesões de Nadal não pode ser desconsiderado, sobretudo pela forma que o espanhol joga, e Djokovic anda às voltas com problemas internos e, agora, também de lesões; Murray é inconstante, e a lesão no quadril preocupa. Ppor isso, acho improvável.

        Responder
    1. JOSÉ EDUARDO PESSANHA

      Renatinho, sinto muito informar, mas Nadal, Djokovic e Murray acabaram. Não sairá mais nenhum Slam aí. Há 6 ou 7 anos eu já cantava essa bola de que FedEx iria sobreviver ao ocaso do maratênis. Grande abraço.

      Responder
      1. JOSÉ EDUARDO PESSANHA

        Os caras acham que Nadal e Djokovic terão longevidade parecida com a do Federer. kkkk. Tenho a certeza de que Nadal e Djokovic, caso estiquem suas carreiras por 3 anos, estarão longe do top 20. Slam já era.

        Responder
      2. JOSÉ EDUARDO PESSANHA

        Deixando claro que eu admiro tanto Nadal quanto Djokovic e Murray. Quando eu falo que eles não conquistarão Slam é justamente pelo fato de que os jovens estão aparecendo e a idade chegando. Certamente quando o último tenista do Big Four se aposentar, perderei 80% do interesse em assistir tênis, pois só restarão tenistas da geração Z, criados à base de Playstation e de leite de pera. rs. Curtamos essa era, pois acho que 2020 será o fim da linha para os quatro. Abs.

        Responder
  18. André Luiz

    É hora de louvar o gênio.
    O sujeito volta a dominar o circuito aos 36 anos de idade. Dois majors, títulos em Indian Wells e Miami, 11 jogos sem perder sets na temporada de grama. Desde já, o maior favorito para o US Open e com grandes chances de terminar a sexta temporada em sua carreira como número um do mundo [o que igualaria um recorde que hoje pertence a Pistol Sampras].
    Nunca se viu nada parecido no circuito. Duvido que vejamos depois.

    Responder
  19. Márcio Souza

    E pensar que muitos torcedores do GOAT ja se contentavam com os 17 GS que ele tinha conquistado e alguns falavam que não precisava o Craque conquistar mais nada e que tudo ja estava e bom tamanho, independente se o Cotonete ou o Siri fosse alcança lo.

    A verdade é que a torcida do Federer sempre se mostrou presente e defendendo o seu ídolo, mesmo nas derrotas mais dolorosas e com o H2H contra o Siri em 23 a 10…nunca fugimos ou nos escondemos, pelo contrário sempre demos a cara pra bater e muitas das vezes principalmente nos anos entre 2013 e 2016 apanhamos feio, mas nunca nos calamos ou corremos.

    Agora que a maré virou a nosso favor, os torcedores modinhas e fãs também do Justin Bieber e da Lady Gaga e que só aparecem quando os seus ídolos estão bem e ganhando alguma coisa se acham no direito de se sentirem ofendidos com as nossas comemorações…

    É pra acabar mesmo ne…

    Segurem a onda agora galera e olha que o GOAT ainda nem beliscou ainda o número 1 de novo, imagina como vai ser então kkkk

    Sejam homens e aguentem a zuaçao, afinal pimenta nos dos outros é refresco ne?

    Kkkkkkkk

    CHUPA QUE É DE UVA!!!!

    CHUPA QUE A CANA É DOCE!!! Kkkkkk

    Kkkkkk

    Responder
    1. Marcio

      Quando ele venceu o 17 já estava acima de todos, isso o colocou na lista de lendas dos esportes em geral. A distância já era muito grande, sem falar no 237 e 302 que são os números mais difíceis de serem alcançados.
      Gigante! Muito bom poder acompanhar isso.

      Responder
  20. Márcio Souza

    Os absurdos e devaneios da galera sem noção ja começaram.

    Algumas pessoas que conheço e que torcem pro Cotonete ou pro Siri, ja começaram a viajar na maionese e falaram que se não fosse o pé cheio de bolhas do Cilic o Federer não teria ganhado o 8° caneco.

    Opiniões alheias sempre temos que respeitar, agoras quando a imaginação desses seres de outros planetas viajam mais que o FANTÁSTICO MUNDO DE BOB ai ja é demais.

    E olha que eles tem argumentos, falaram que enquanto as bolhas deixaram o Cilic deu calor nos dois primeiros games e ai entra o sempre fantasioso SE, SE NÃO FOSSEM AS BOLHAS…

    Por estar bem contente e de bem com o mundo só nos resta rir dessa palhaçada criada por esses lunáticos que querem se agarrar em alguma coisa para poderem não dar o braço a torcer.

    É muita imaginação e fantasia dessa galera kkkkk

    Responder
    1. Maurício Neves

      Não liga não Márcio!

      Alguns vivem no mundo da Lua, outros vivem no mundo da Bolha.

      O pior que na bolha dos outros.

      Boa tarde.

      Responder
  21. Márcio Souza

    Gostei muito da idéia de terem criado o grupo la no Wats e espero que não haja desbandada geral la da galera que verdadeiramente fez daquilo ali uma bagunça organizada.

    Muito legal poder trocar idéias e opiniões em tempo real e tenho certeza que muitos assim como eu nos divertimos muito ali.

    Muitas pessoas que participam aqui do Blog estavam lá e isso que foi legal, parecia que nos conhecíamos de verdade pessoalmente, tamanha era a empatia e o sincronismo de pensamentos, idéias, piadas e algumas discussões acaloradas até altas horas da madrugada, muitas vezes.

    Um abraço a todos aqui pela companhia nessas duas semanas bem intensas de bate papo la e ja confirmo que da minha parte ainda permanecerei por lá enquanto o grupo existir.

    Era legal ir dormir tipo umas 02:00 da manhã e quando ia olhar as mensagens as 08:00 da manhã tinha mais de 1.500 mensagens não lidas, as vezes perdia se o foco do assunto principal mas sempre conseguíamos resgatar o que havia sido dito a umas 5 horas atrás…muito legal.

    E não podia ter desfecho melhor os comentários sobre Wimbledon sem a conquista do GOAT ne…se bem que esse assunto ainda vai render muito por aqui e la também.

    Abs.

    Responder
  22. Louie

    Dalcim, parabens mais uma vez pelo blog. Leio todos os dias.
    Tenho uma curiosidade: os premios dos vencedores de Slam são altíssimos. Dalcim, normalmente os respectivos tecnicos e comissão tecnica ganham uma porcentagem desse premio ou ficam só com o salario mensal ?

    Responder
  23. Carlos

    Olá, caro Dalcim,
    No ranking de hoje (17/07/2017), os quatro tenistas do Big 4 aparecem nas quatro primeiras posições.
    Por favor, saberia me informar:

    – antes desta semana, qual tinha sido a última vez que o Big 4 ocupou as quatro primeiras posições no ranking?

    – ao todo, quantas semanas os quatro do Big 4 estiveram nas quatro primeiras posições (independente da ordem)?

    Obrigado, abraço.

    Responder
  24. Maurício Neves

    Qual o limite de Federer?

    Boa tarde a todos!!!

    Dalcim gostaria de dar minha opinião avaliado alguns itens:

    1 – Financeiro
    Quanto Federer precisa para manter o que construiu para sua família com 4 filhos e mais a sua fundação? Acho que fora de quadra aposentado ele ganha dinheiro.

    2 – Mente
    A motivação que faz com ele ainda mostre a todos que jogar tennis ao nível de excelência não é fica correndo e espancando a bola da linha de base.

    3 – Físico
    Parece que ele achou a forma de administrar isso com sua equipe.

    4 – Família
    A Sra. Federer não parece querer que ele pare..Rssssss A única coisa que irrita ela é a câmera do box e os apagões do Roger que a fez dar-lhe uma broca no AO.
    E ela o acompanha desde a olimpíada. Rsssssss

    5 – Amor
    O amor dele pelo tennis que ele joga, QUE ELE JOGA, As pessoas passam para ele a energia de que ele é diferente, e isso não tem nada haver com o nº 1 ou 1000, senão os outros estariam no mesmo patamar preferencial. Isso o alimenta!

    Na nossa cabeça a permanência dele está associada ao físico, e na premiação ele disse que há vida após o tennis.

    Qual equilíbrio busca Roger Federer para continuar?

    E se ele passar a jogar somente Grand Slan? Todos irã contar nos dedos o dia do torneio.
    ——————————————————————————————————————–
    Rolex nunca deixou de exibir o antigo comercial de Federer mesmo ele em baixa.

    – PerFederer

    – Silêncio! Gênio Trabalhando

    Quem criou essas coisas? Rsssssssssssssssssssssss

    A balança é para todos.

    Minha opinião

    Abraços

    Responder
  25. Sérgio Ribeiro

    Contrariando o que dizem vários Especialistas ( tentam diminuir a importância o comparando a MASTERS 1000 ), o Ouro Olímpico e’ tão cobiçado quanto um SLAM,segundo o Craque : ” Foi a minha maior tristeza na longa parada. A muito custo meu Staff me convenceu a não ir ao Rio. Disputei todas ate’ então. E neste clima foi que conheci minha mulher. Pretendo voltar “. Rafa Nadal abandonou Rolanga 2016 depois de duas fáceis vitórias ” dores no pulso ” , e veio a Rio 2016 fazendo jogos incríveis. O Suíço no retorno optou em não defender Brisbane e caiu pra TOP 17. Optou pela Copa Hopmam ( vai sentir falta de ritmo…). Fez 4000 Pontos e pulou toda a Gira do Barro ( deveria jogar ao menos Roma e Rolanga …). Venceu Halle e Wimbledon sem ceder nenhum Set. Como previmos chegou colado em Rafa Nadal. Chegou a ser chamado de fujão pelos Guris. Chegou a dizer que não pularia nada no segundo Semestre. Agora já disse que apenas Cincy e’ garantido. Ou seja, e’ nítido que o Corpo e os SLAM , são o Foco do Senhor. O N 1 ficou mesmo em segundo plano. A conferir ! ABS !

    Responder
  26. Rafael

    Primeiramente, parabéns aos torcedores de Roger Federer e aos amantes do tênis em geral. Vou adotar aqui um adjetivo que li pela primeira vez em um comentário do Pessanha, é realmente um prazer ver as conquistas que o Craque consegue atingir em um fase da carreira em que isso era absolutamente improvável. Concordo com o Dalcim quando diz que Federer está, provavelmente, traçando um novo modus operandi que provavelmente deverá ser seguido por muitos dos grandes ou aspirantes à grandes no futuro. É o melhor e maior tenista da era aberta disparado, pelo conjunto da obra que, na minha opinião, pouco tem a ver com um número específico. Dou razão aos torcedores que diziam que Federer não precisava provar mais nada (embora fosse mais cautela do que racionalidade, para o caso dele perder). Ele não precisava ganhar ontem, nem na Austrália. Mas esses feitos vão derrubando as últimas peças de resistência à essa realidade. Nem Federer nem ninguém É o tênis. Mas Federer está reinventando o tênis como um todo, principalmente fora da quadra e isso, pra mim, é até mais notável do que suas vitórias. Até porque vitórias como as de ontem só valem pela taça que ele leva pra casa, o jogo foi constrangedor e entra automaticamente na lista das piores finais que vi nos últimos anos.

    Mas, isto posto, Federer vai reescrevendo sua história no esporte, acrescentando mais e mais páginas a um livro que pareceu várias vezes terminado.

    The End (?)*

    *Pra quem assistiu, a cena final de Shelock Holmes II.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Parabéns pelo reconhecimento ao colocado pelo Pessanha, Rafael. Mas na boa, isto foi dito por alguem a muito
      Ambos não tem por habito ler todos os comentários mesmo rsrsrs…ABS!

      Responder
  27. Renato Veneziano Toniol

    Federer é o único tenista a ter aplicado pneu em todos os integrantes do big four.
    E levou somente um.
    Apenas para constar.

    Responder
    1. Nando

      Complementando, ele deu pneu no espanhol em cada piso.
      Esse único pneu q Federer tomou de alguém do Big (RG 2008), foi tbm o 4º e último em td a carreira .

      Responder
  28. THALES

    Realmente uma pena Cilic ter se machucado logo na partida mais importante sua vida, esperava um jogo nos moldes do de 2016. Mas assim como Nadal nosaibro o suiço desfilou na grama e não deu absolutamente nenhuma chance pra quem quer q fosse, como um gênio que é se reinventou e hj joga seu melhor tenis da carreira. Muito bom ver que Roger e Rafa ainda estão melhorando seus jogos pra se manter no topo e continuarem a bater recordes. Teremos uma disputa dos 2 pelo numero 1 assim como nos bons anos de 2008,09 ou 10.. muito nostalgico e prazeroso será ver novamente essa disputa. Acho que Murray fará um pausa longa e me arrisco até a dizer que sua temporada já terminou, Djoko segue na mesma linha e acredito que dificilmente volta antes do USOpen.. O que acha DALCIM, veremos servio e britanico no ultimo Slam?

    Abs

    Responder
  29. Márcio Souza

    Nada como começar a semana sabendo que o GOAT arrebentou no final de semana e levantou o tão sonhado 8° caneco de Wimbledon.

    E pensar que VÁRIOS especialistas que comentam aqui no Blog ja tinham APOSENTADO o FEDERER e alguns inclusive utilizava filosofia, argumentos técnicos, parâmetros, estatísticas (o famoso H2H), citavam grandes escritores enfim…

    Como será que estão essas pessoas agora?
    Aonde vivem esses lunáticos?
    Do que se alimentam pra falaram tanta borracha?
    DOMINGO NO FANTÁSTICO!!! Kkkkkk

    AGUENTA A GENTE AQUI AGORA KKKKKK

    Saudações Federistas para todos!

    Boa semana pra vocês porque a minha começou de forma ÓTIMA!

    Abs.

    Responder
  30. Klaus

    E o “aposentado cansadão” de 36 anos ganhou de novo. Parece que ele só não cansa de ganhar. Enquanto isso, os “não-aposentados” bem mais novos estão sempre arrebentados. Talvez porque para ele jogar tênis é uma coisa natural, não faz muito esforço, parece que ele flutua na quadra, sem falar na camisa que ele usa, que a Nike produz especialmente pra ele, com ar-condicionado. Já os outros fazem um esforço danado pra jogar, e pagam o preço. Vida longa ao GOAT!

    Responder
  31. Mário Fagundes

    Quero parabenizar José Eduardo Pessanha, que cravou, desde o sorteio das chaves, Federer e Cilic na final, com o suíço sem perder sets. Valeu!

    Responder
  32. Chetnik

    Legal o feito do Melo também. Não por ele ser brasileiro, porque eu não tenho disso, mas porque ele parece um cara legal. Esses dias fiquei sabendo que ele chegou numa quarta de final de WB em simples – não lembrava. Isso já vale a carreira inteira do Bellucci, kkkkk.

    Espero que a Muguruza mantenha a pegada. Tênis feminino precisa de bons e regulares nomes.

    Responder
      1. Marcio

        O Paulo coelho muda de assunto mas sempre vacila na tentativa de desmerecer alguém.
        Belluci o maior brasileiro em simples após guga.
        Aceita.

        Responder
  33. Mário Fagundes

    Por onde anda um dos melhores comentaristas deste blog , o federista Fernando Brack? Apareça! Você em muito acrescenta neste espaço.

    Responder
  34. Chetnik

    Independente de qualquer coisa, fica os parabéns. Não tem como negar o feito incrível.

    Cadê o Rafael W. e o Brack? Sempre estiveram nos tempos ruins, tem que aparecer nos bons rs.

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Obrigado pela lembrança, camarada! E concordo com você: adorei ver o suíço vencer, mas WB/2017 foi bem fraco no geral, como você lerá no meu outro comentário.

      Responder
  35. Victor Rolemberg França

    Dalcim, qual o seus Top5 masculino e feminino de todos os tempos? E para você, existe diferença entre maior e melhor (ex: um tenista ser o terceiro maior da história, mas melhor do que o segundo tecnicamente)? Deu pra entender? rs

    Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu só uso a expressão ‘melhor’, porque ‘maior’ me parece extremamente difícil de se apontar com gerações e momentos tão distintos do esporte. Federer, Laver, Sampras e Borg são meus quatro primeiros. O quinto lugar tende a ser de Nadal, embora eu veja uma importância enorme do Lendl no tênis por tudo que ele inovou. No feminino, eu fico com Martina, Court, Serena, Graf, Evert. Abs!

      Responder
      1. JOSE EDUARDO PESSANHA

        Nossa, Dalcim. Serena na frente da Graf? Rs….mas, pensando bem, a Graf estava sendo amplamente dominada pela Seles até aquele terrível atentado. Abs

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Até em títulos de Slam ela já está à frente de Graf, com pelo menos seis conquistas em três Slam diferentes. Um assombro.

          Responder
          1. JOSÉ EDUARDO PESSANHA

            mas a Graf parou de jogar com 30 anos recém completos. Serena está com quase 36. Carreira bem maior.

          2. José Nilton Dalcim

            Tire pelo menos uns três anos da carreira da Serena por conta de tantas paradas. Independente dos números, Pessanha, para mim Serena é muito mais tenista no geral e sua importância histórica para o tênis e o esporte, mais significativa também.

  36. Gustavo

    Pensando pra frente, na estratégica de continuar se poupando, faz sentido que o Federer jogue apenas Cincinnati como único torneio preparatório para o USopen. Não vejo ele jogando ambos os ATP 1000 em semanas seguidas. E, considerando o incrível histórico do mestre em Cincinnati, com 7 títulos, me parece a melhor alternativa.

    Responder
  37. Anderson Vieira

    Dalcim , essa esquerda do Federer está destruidora , ouso a dizer que as devoluções hoje do Federer é a melhor
    devolução do circuito masculino, bolas retas , vencedoras, slices , com muito spin e muito tempo de bola.
    Hoje o Federer não tem buracos em seu jogo, você acha que ele pode melhorar ainda o seu jogo?
    Talvez hoje o Federer tenha reais condições de ganhar do Nadal no barro, o que acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sempre é possível melhorar. Acho que a devolução ainda pode ser mais efetiva, por exemplo. Acho que Federer pode sim competir, mas num saibro um pouco mais veloz, tipo Madri.

      Responder
  38. Cristiano

    Dalcim, duas coisas.

    1) Impressionante a “sorte” desse Suíço que há 15 anos vem ganhando Grand Slam porque enfrenta a geração mais fraca do tênis. Eita o conceito de geração aqui é bem elástico né? kkk. Daqui a pouco ele vai estar ganhando título até 2022 e ainda vai ter gente falando que ele ganha só porque a geração é fraca rsrs

    2) Pouco antes da temporada de saibro comentei da possibilidade do Federer ser número 01 e que não seria necessário ter acima dos 10.000 pontos. Tai o Andy como número um com “apenas” 7750 agora. Como tinha falado naquela época, ficamos acostumados com sempre um dos Big Four voando de forma absurda e varrendo todos os torneios do circuito que ficou “normal” o número 01 estar acima dos 10mil, mas em um circuito mais equilibrado a tendência seria o líder ter entre 7 e 9 mil pontos. Lógico que tanto Nadal quanto Federer se mantiverem este ritmo podem voltar a atingir esta pontuação absurda, mas é mais difícil. Nadal tende a cair no segundo semestre e o maestro não irá disputar tantos torneios assim para chegar nesse patamar de pontuação. Se conseguir, será mais uma façanha e tanto do Suiço! A conferir! Abss

    Responder
  39. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    falando sobre ranking do número 1 ao final, e considerando a pontuação atual de 7 mil Nadal e 6,5 mil Federer. Sabendo ainda que temos de 7,5 a 8 mil pontos em jogo até o encerramento da temporada. Então partindo disso eu acredito que o número 1 terminaria a pontuação no intervalo de 11 -12 mil. Não acredito que passe de 12 mil, tampouco que seja muito inferior a 11 mil. Vc mestre o que acha? A pontuação deve girar mesmo em torno do que expus?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu acho que iremos ficar pouco acima dos 10 mil, Ulisses. A menos que haja um domínio muito grande de Nadal e Federer nesta reta final.

      Responder
  40. Rui Diógenes de Souza

    Orgulho do tênis brasileiro, juntamente com Bruno Soares, Marcelo Melo está no topo do tênis mundial. Parabéns e muito obrigado por nos fazer ficar tão felizes em meio a tantas decepções que vivemos atualmente em nosso país. Número 1 do mundo. Número 1 em trabalho e dedicação ao tênis.

    Responder
  41. Humberto Filho

    Mestre, para além dos monstros Fedal, quem podemos considerar postulantes ao US Open? Será que alguém da “nextgen” pode surpreender?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Wawrinka, atual campeão; Cilic, vencedor em 2014, são fortes nomes fora do Big 4. Acho que Raonic, Nishikori e mesmo Thiem têm chance de grande campanha. E os garotos Zverev e Kyrgios correm por fora. Acredito que será um Slam bem aberto, Humberto.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Dalcim, passou batido, mas veio e acabou a temporada de grama, que sabemos não ser a melhor superfície dele, e Dominic Thiem segue com vantagem como o número 3 da temporada. E mais: poderia ter feito semi final, caso não tivesse perdido aquele 1o game de serviço pra Berdych no 5º set. Estamos vendo um novo fenômeno surgir oculto às sombras de Federer e Nadal, impecáveis nessa teporada, ou ainda é cedo? Acha que ele termina como 3 do mundo?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Fenômeno talvez seja exagerado com o Thiem. Acho que ele tem feito progressos constantes. Diante do quadro atual, acredito que ele tem grande chance de terminar no top 5, o que seria outro salto de qualidade.

          Responder
  42. LINCOLN AOKI

    Bom dia Dalcim, acompanho tênis há alguns anos mas não cheguei a acompanhar Federer nos anos que ele dominava o circuito.
    Vc comentou que a versão 2017 é a melhor de todos os tempos.
    Comecei a acompanhar tênis mais de perto no auge do Djoko, em algumas partidas ele parecia imbatível, minha pergunta é:
    Federer de hj bateria Djoko ou qualquer atleta no seu seu auge?
    Qual a sua opinião?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Lincoln, os Federer de 2014 e de 2015 derrotaram Djokovic no seu auge. O de 2011 também. Então não vejo por que não teria essa possibilidade.

      Responder
    2. Buzinas

      Técnica e taticamente, concordo: é o melhor Federer. Porém, físico faz muita diferença, e aquele Federer de 2006 que chegava em todas as bolas, e muitas vezes conseguia fugir do backhand para bater de forehand e terminou a temporada com inacreditáveis 92-5 (sendo 3 dessas derrotas para Nadal no saibro) ainda é o melhor que vi jogar. Voava em quadra, com confiança altíssima e tinha um forehand inacreditável. Se fosse possível aliar a disciplina tática, backhand e voleios de hoje com saque, forehand e físico de 10 anos atrás, teríamos uma verdadeira máquina!

      Responder
  43. Diego Santos Lima

    Parabéns Roger, grande atuação. É igualmente difícil enfrentar um adversário supostamente com problemas físicos porque o plano tático pode mudar na cabeça e desencaminhar a parada toda. Murray mesmo já perdeu v[árias vezes pro Nole supostamente contundido no meio da partida. Mas estamos falando de uma freguesia de 8 a 1, então por mais que o feito seja épico, não penso que seja surpresa pra ninguém! Rumo ao 20º slam agora!

    Responder
  44. Chetnik

    Que jogo horroroso, a cara do circuito de hoje, que nunca esteve tão ruim. Aliás, nisso tenho que admitir que as federetes estavam corretas quando falavam do nível baixíssimo do circuito.

    Responder
    1. Lucas

      E olha que irônico nesse circuito fraco como tá de acordo com sua análise nos ultimos 10.meses o Djokinho papou apenas um 250tinha kkkkkkk chora na cama que é lugar quente

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      O Rapaz teve uma recaída e aparentemente voltou às origens. Como não assiste aos jogos ( agora é via WhatsApp rs ) , volta com o antigo papo de Federetes e outras Babaquices . STAN amarelou na Final de Rolanga contra o Rei do Saibro ( quis até comer as bolinhas devido às saudades de Novak rs ) , e Cilíc amarelou contra o Rei da Grama ( bolhas comuns a Tenistas e choro de frustração). Simples assim. Rafa e Roger em nada tem a ver com isso. O nível e’ baixo mas Novak e Nadal tem menos SLAM graças a Wawrinka.Abs!

      Responder
      1. Rafael

        Se formos começar a ir pelo “se”, hj vcs estariam comemorando o 10o. Wimbledon de Federer se não fosse por Djoko. Não caia nessa de desmerecer os outros, Sergio, justo vc que não é disso….

        Responder
    3. Nando

      O nível do circuito tá tão baixo….pq então o seu “Deus sérvio” foi eliminado precocemente no AO? Pq então ele não ganhou nenhum dos 5 M1000 disputados no ano até agora (sendo q só foi longe em 1 deles e perdeu a final)?
      Engole o choro aí Paulo Coelho. E segue os números abaixo:

      19 (8-5-5-1)
      302 (237)
      6
      93

      Responder
      1. Chetnik

        Porque ele tá com problemas físicos. E me responde você, já que era um dos que insistia nesse choro nos últimos anos: porque o circuito era horrível em até pouco atrás e o Federer não ganhava GS, e agora que tá “forte” ele ganhou dois?

        Responder
    4. André Luiz

      Caso isso seja verdade, e o nível for mesmo horroroso, o que dizer de Djokovic, que não consegue sequer chegar às semifinais de majors jogando nesses ”tempos negros”?

      Responder
      1. André Luiz

        Veja você que nos ”tempos negros” entre 2014 e 2016, Federer continuou chegando a finais de majors, a semifinais…Mesmo em 2016, disputou dois GS e chegou nas semi de ambos.
        Já Djoko, em um período ”horroroso” para o circuito [palavras suas] está caindo na segunda rodada pra Istomin, levando pneu de Thiem nas Quartas de final, e saindo corrido de quadra até pra Berdych.
        Situação preocupante a do sérvio. 🙂

        Responder
      2. Chetnik

        Sim, chegava e perdia. Situação do Djoko agora é diferente. Ele tá com problemas físicos.

        No fim das contas, tudo que eu “cobro” é coerência. O pior é ver gente que repetia a ladainha do “pior circuito de todos os tempos” ficar procurando argumento e justificativa ridículos para justificar que agora o circuito tá bom de novo.

        É o que eu digo sempre, isso é fanatismo, coisa de gente doida.

        Responder
    5. Renato

      Bom, pelo menos agora nós temos um Nadal em forma. Na época do domínio de Novak, nem isso. Tbem temos Thiem e Zverev em franca ascensão.

      Responder
  45. Fred Eugênio

    Olá,
    Essa é uma das quatro páginas que abro diariamente, junto com as outras de notícias. Parabéns pleo trabalho Dalcin.
    Entendo bem a reclamação do Djoko sobre adiar o jogo dele… Mas não compreendi o motivo dele e Nadal reclamarem sobre não jogar na quadra Central.
    O que isso atrapalhou a campanha deles? Poderia dar a sua opinião Dalcin?

    Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não tem muito sentido, Fred. Claro que jogar na Central é uma honra, mas a rigor não muda absolutamente nada, exceto em dia de chuva, o que não foi o caso em qualquer momento deste torneio. Os dois jogaram na Central na primeira semana, lembremos.

      Responder
  46. Chileno

    Mais um título do maestro! Que mágico ver nosso gênio se motivar, se reinventar e reescrever a história, uma vez mais! O maior campeão de Wimbledon, o maior vencedor de torneios do Grand Slam, o mais vencedor do Finals, o maior vencedor do US Open na Era Aberta, o jogador que liderou o ranking por mais tempo na história, e o jogador que por mais tempo sustentou a liderança do ranking. Desculpa, mas não tem como argumentar contra essa lista de feitos. O cara é a lenda viva do tênis. O verdadeiro Goat.

    Triste o problema com o Cilic. Tirou o brilho da final, mas não diminuiu o tamanho do feito do maestro. Vida longa a RF, o maestro do tênis!

    Responder
  47. Leonardo Felix

    Vale observar que em 2017 Federer ainda não perdeu para um top-10. Um absurdo de temporada até o momento. Aliás, suas duas únicas derrotas curiosamente ocorreram para jogadores de fora do top-100, em rodadas iniciais de torneios menores (quando ele estava voltando de parada e ainda recuperando o ritmo) e tendo vencido o primeiro set e desperdiçado match points. As famosas “viajadas” (que agora só parecem acontecer nessas ocasiões “permissíveis” ou “perdoáveis”). Ou seja: por muito, muito pouco Federer não está fazendo uma campanha invicta no ano.

    Responder
  48. Mário Fagundes

    Bem, Wimbledon já é passado. Com o principal objetivo do ano alcançado, somando tudo o que vencer daqui em diante, penso que Federer vai jogar solto, sem qualquer pressão por resultado assim como foi no AO. Teremos muitos espetáculos para conferir. rsrsrsrs.

    Responder
  49. Bruno Macedo

    Não entendo de tenis como algumas pessoas aqui, mas achei o jogo Federer x Cilic chato e não parecia uma final. E td foi culpa do Cilic. O cara não tinha cabeça para estar ali e acho q nem jogo tinha (parece estanho falar isso de um finalista de Grand slam). Parecia um jogo de profissional contra um juvenil. Cilic errou quase todas as vezes q foi a rede, eu acho. Aquele choro se tivesse servido para ele desabafar/extravasar e voltar melhor, estaria ok. Mas aquele choro so fez ele passar recibo de fraco, pq ou ele estava assustado e com medo ou frustrado pq achou q bolha estava atrapalhando seu jogo. De todo jeito, ficou parecendo um menino assustado. Antes tivesse deixado o Muller passar…

    Responder
  50. Sônia

    Dalcim, não há limite para esse SEMIDEUS, não há. Que dia glorioso, chorei todas, ainda me recuperando rsrsrsrs. Roger Federer, EU TE AMO e pra sempre irei te amar, valeu, obrigada por tudo, voce é maravilhoso:

    https://youtu.be/7wgzFGw8boY

    Enquanto isso, fico imaginando o dia de hoje da “oposição”, principalmente daquele ser que não queria que desse de jeito nenhum o GOAT:

    https://youtu.be/FydMvyM857M

    Hilário demais, rindo aos borbotões.

    Galera, se meu Lindinho era amado, agora será endeusado. Adoooooooooooooooooro.

    Caba não mundão, caba não!

    Dalcim, quase ganhei o bolão rsrsrsrsrsrsrsrs. As meninas piram rsrsrsrsrsrs.

    Beijos.

    Responder
  51. Wilson

    Mestre, você acha que as lesões do Andy Murray e do Djokovic poderão afastá-los da segunda metade da temporada, inclusive do US Open, o que literalmente canalizaria a disputa pelo 4º Slam da temporada e do número 1 do mundo entre Federer e Nadal?

    Responder
  52. Vinicius

    Mestre Dalcim parabéns por mais uma excelente cobertura e parabéns pelo excelente profissional que vc é e pela educação e cordialidade que trata seus leitores, se tivesse mais profissionais como vc em outros esportes com certeza teríamos maior aprendizado e menos ódio e ignorância na internet. Obrigado mestre.

    Responder
  53. Rubens Leme

    Uma coisa curiosa: somente em 2004 e 2005 Federer começou o ano com 5 finais em 5 títulos.

    Em 2004 foram 11 títulos em 11 e, em 2005 só perdeu a última do ano (Masters, para Nalbandian, por 3×2, de virada), após mais 11 títulos, interrompendo um recorde de 24 títulos consecutivos, somando outros 2 em 2003.

    Ou seja, eis outra marca espetacular dele, aos 35 anos, Dalcim.

    Responder
  54. Rubens Leme

    Quem diria que 2017 seria marcado pela volta de Fedal enquanto os bobos da corte voltariam aos postos de origem?

    Agora é torcer pelo segundo semestre ser tão bom ou melhor. Desde 207 ele não vence Australian, Wimbledon e US Open em um mesmo ano.

    Responder
  55. Leonardo Freitas

    Parabéns a esse extraordinário tenista que une uma virtuosidade técnica única com um ótimo preparo físico e mentalmente forte neste 2017.E com certeza a melhor versão do Federer e acima mesmo do auge da carreira do meio dos anos 2000.Ele esta sacando afiado,devolvendo bem,esquerda afiada,direita todos conhecem,esta esguio na forma física,mentalmente muito forte e por fim jogando solto e aproveitando seu momento.E um tenista que parece que foi remodelado por um engenheiro o que e assombroso para alguém que tem tanto tempo no circuito e mesmo assim conseguiu melhorar sua forma na parte técnica com ajustes em seu jogo e principalmente esse ano com a leitura tática e aliado ao seu virtuosismo técnico que e indiscutível.Ele e um misto de técnica e elegância dentro de quadra e analogicamente falando um maestro com uma mão mágica de proporcionar jogadas e improvisos de rara beleza e eficiência o que me resta dizer sem exagero nenhum que estamos diante de um dos maiores da história de todos os tempos e com certeza com melhor tenista da era aberta do tênis.
    Abraço a todos os leitores do blog.

    Responder
  56. Marcos Ribeiro

    Das diversas derrotas dos últimos anos do Federer para o Djokovic, muitas foram por detalhes e por menor controle do emocional. Mas jogando muitíssimo bem e melhor do que quando vencia mais. Enquanto isso, muitos achavam que ele não ganharia mais slams, que devia se aposentar e por aí, o que para mim nunca fez sentido. Neste ano de 2017, Federer melhorou ainda mais um pouco, principalmente no emocional. E este progresso específico, o emocional, provavelmente permanecerá até o final da sua carreira, estando calcado, inclusive, em imagens e sentimentos que ele percebeu com grande consciência na final do AO deste mesmo ano, certamente registrou bem em sua memória e recorda quando precisa. Para mim, está sendo gratificante ver Federer conseguindo realizar seu enorme potencial. Desejo o mesmo aos seus rivais. É disso que eu gosto quando assisto qualquer esporte. E o tenis mostra com mais nitidez quando isto está, ou não, acontecendo. Esta final de Wimbledon, sabemos, esteve um tanto longe disso. Que todos evoluam (menos o Kyrgios, 🙂 ) e que venham belos duelos, exigindo o máximo mesmo dos melhores!

    Responder
  57. Jota

    Boa Noite Dalcim.
    Ganhar Wimbledom aos 35, sem perder sets é algo que somente um gênio do esporte conseguiria fazer. Federer está ao lado de Jordan, Pelé, Bolt, Phelps entre outros como os melhores da história em seus respectivos esportes.
    Quanto à final, achei muito estranho o primeiro pedido de atendimento de Cilic,, já que ele não quis que se iniciasse qualquer procedimento. E mesmo depois de receber o atendimento, na segunda parada, não me pareceu ter havido grande dificuldae de movimentação por parte do croata. Dores são normais em atletas de alto nível, pelo menos é o que sempre ouvi dizerem.
    Você atribuiria a parada na verdade a uma frustração pela 0-3 e por não conseguir jogar?
    Quase que um pedido de ajuda pra faze-lo voltar ao jogo?
    Seria inédito não?
    Um abraço

    Responder
      1. Alexandre Maciel

        Se não me engano aconteceu isso com a Lisick na mesma quadra na final contra a Bartoli. Jogar uma final de Wimbledon não deve ser fácil, emocionalmente falando.

        Responder
  58. Mario Cesar Rodrigues

    Bem não tem como analisar o jogo que jogo o Cilic entrou tremendo com cara de choro estava emocinalmente abalalado o que disse na entrevista foi balela.ele não estava acertando no jogo,e não venha me dizer que foi por causa que esteva jogando com Federer.foi uma coisas éria que aconteceu com o Cilic,que pé nada!sejamos corretos,mas enfim Federer ganhou seu torneio preferido 19 vezesParabéns falar mais o que todos assistiram e cada um com sua visão só espero que não me venhamfalar que eu estou errado!

    Responder
  59. João Sark

    Dalcim, a ironia continua…diante de tantos títulos e feitos importantes este ano, as únicas duas derrotas do Federer foram em partidas em que ele teve match-point e perante adversários fora do top 100…quem diria…rsrs

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Infelizmente, não. rsrsrs. Mas o placar e o resultado do 3º set (6/4), sim. No tempo de jogo (1h34min), errei a ordem dos dígitos: marquei 1h43min. rsrsrs. Abraços!

      Responder
  60. Mário Fagundes

    Dalcim, lembrei mais uma vez, a previsão feita por você, em 2013, sobre o ano de aposentadoria de Federer: 2016. Lembra? rsrsrs. Esse Federer é também craque em “contrariar” a gente.

    Responder
      1. Rubens Leme

        É, parece que a Mirka é que manda em casa. Ela me lembra de uma cena de Poderosa Afrodite, do Woody Allen. Em um determinado momento o filho pergunta ao Woody quem manda em casa, ele ou a mãe.

        “Sua mãe diz o que vamos fazer, mas eu é que fico com o controle remoto”.

        Será que, ao menos esse privilégio, Roger tem em casa?

        Responder
        1. Mário Fagundes

          Rapaz, penso que nesse quesito, Federer seja dominado totalmente. Em casa, o esporte que ele pratica é a “canoagem”. rsrsrsrs. Mas ninguém é perfeito, nem mesmo Roger Federer. Pra não ser execrado pelo segmento feminino, já afirmo: as mulheres (quase) sempre tem razão. rsrsrs.

          Responder
      2. Mário Fagundes

        Verdade. Cabe aqui aquele ditado: “Por trás de um grande homem, há uma grande mulher.” Muito bacana ver o engajamento de toda a família Federer por toda a carreira do suíço.

        Responder
  61. Anti anti-jogo

    Conversa urgente entre Toni Joel Santana Nadal e seu pupilo Robolito Kid:

    “Rafa, temos de fazer algo urgente para barrar essa ascensão assustadora de Rogério Federer!”

    Robolito pensa, pensa, (o que causa horríveis dores de cabeça), e fala:

    “Já sei! Ao invés de bater 1500 bolas por dia com ganchão e toda força, vamos aumentar para 3000 bolas por dia com ganchão e toda força!”

    Toni pensa um instante e diz:
    “Ótima ideia!”

    Responder
    1. neuton

      Coisa besta essa coisa de querer desqualificar grandes jogadores. Normalmente quem faz isso é “gente” que sequer já pegou em uma raquete de tenis.

      Responder
  62. JANAINA M DIAS

    E que “munhecada” foi aquela do Federer, já fora da quadra, no lance em que Cilic caiu no chão? Senhor, absurda!
    Nunca joguei tênis na vida, mas deve ser difícil pacas fazer um lance desse..e deve doer também..

    Responder
  63. Eronilson Teles

    Falando da final em si , que decepção podem reclamar do estilo de jogo dos outros três mais hoje ficou provado porquê se chamam big four , final apagada sem um pingo de emoção , acho que até os fãs do federer achariam muito melhor se essa vitória vinhesse em cima de qualquer um dos outros três.

    Responder
  64. João ando

    Dalcim. Para mim o limite dele e jogar até os 42 anos…isso se ele quiser…precisar ele nao precisa. ..ele gosta do que faz …então fica fácil…isso quer dizer mais 7 anos de circuito…Nadal joga mais uns 2 anos no maximo .djoko volta a deve jogar no maximo 3/4 anos.Murray com esse problema no quadril não sei se volta..

    Responder
    1. Fabio

      Acho que o Djokovic voltando seria uma tira teima para os fãs porque ele conseguiu achar a resposta para o Nadal e provou isso, se bem que no saibro devia levar uma surra feia. Agora o Djokovic dominou ele em todas as superfícies ultimamente.

      Responder
    2. Lucas Rodrigues

      Cara, 7 anos não dá. Por menos físico que seja o jogo do Federer, estamos falando de um esporte de alto rendimento. Além do que, é praticamente impossível que ele tenha motivação para tanto.

      Responder
      1. André Pires

        Ele já ten um calendário muito enxuto, o que sem dúvida ajudará em sua longevidade até os 38. depois disso e mantendo um bom desempenho ele poderia ficar jogando so AO, a temporada de grama, Cincinnati, o US Open e na Basiléia. 7 torneios por ano, 8 se jogasse um preparatório pra Melbourne, 9 se se classificasse pro Finals.
        Numa hipótese um pouco mais extrema, jogaria apenas a temporada de grama.

        Responder
  65. Mário Fagundes

    Roger “Inesgotável” Federer, o quanto mais esta vida lhe reserva? Privilegiados todos nós, com certeza, que testemunhamos mais uma incrível marca no tênis.
    A partida não teve os ingredientes que esperávamos, coisas do esporte. Cilic lutou bravamente com seus problemas, e no fim, essa imagem é a que fica. Com certeza chegará ao US Open como um dos grandes favoritos ao título.
    Gostei da menção ao ano de 2020, Dalcim. Já que alguns aqui decretaram o fim (tomara mesmo) do maratênis, podemos esperar mais 2 ou 3 slans para Federer? rsrsrs. No mínimo, o veremos por mais uma temporada, pois ele confirmou que pretende defender o título em Wimbledon.
    Inevitável não pensar em voltar ao topo do ranking depois de faturar dois slans e com chances de papar o USO também. Acredito que Nadal estará forte até lá. As chances de, enfim, termos um FeDal em NY aumentam de vez com os outros dois cachorrões lutando contra problemas físicos.

    Responder
  66. Marcos Castillo

    E quando muitos já cravavam que RF não ganharia mais GS por não ter físico para aguentar 5 sets, eis que o gênio suíço aparece com a solução: vencer todos os jogos por 3×0!

    Responder
  67. Neto

    Dalcim, quais as chances que você imagina de o Federer trocar a preparação cuidadosa para o nono Wimbledon em 2018 por uma tentativa de ganhar o segundo Roland Garros?

    Responder
      1. Valdir

        Só imagino Federer jogando RG ano que vem se ele chegar lá tendo vencido UsOpen e repetindo o título no AusOpen.
        Jogaria lá para ter a chance de fechar um GS consecutivo.

        Responder
      2. Rafael Wuthrich

        Luthi deixou escapar em entrevista pré Wimbledon que essa poderia ser uma possibilidade: montar um calendário de saibro. Significaria pular tudo após o Australian Open e voltar em Monte Carlo.

        Responder
    1. Mário Fagundes

      Pensei o mesmo Neto. Federer adora recordes. Ter, no mínimo, 2 títulos em cada slan, é algo que também deve passar pela cabeça dele.

      Responder
    2. Alexandre Maciel

      Não creio. Federer jogará mais uma vez em Paris? Sim !! Mas será apenas para fazer um social devido a importância do torneio e tals, mas ele sabe que suas chances de título lá são pequenas. Se ele manter-se saudável e em forma no ano que vem deve ir com tudo para tentar o nono caneco no All England.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Sei não… A depender de como Nadal estará, não duvidem que o suíço chegue com uma preparação física e tática pro saibro. Sem o espanhol, ele ainda é o segundo maior nome do saibro, essa é que é a verdade.

        Responder
    3. Julio Calleja

      Esquecam isso. O Federer nao quer mais ter que ficar correndo atras de bolinha que nem um louco no barro, isso ele deixa pro os outros…Com certeza ele ainda disputa Roland Garros, mas nao sera sua meta.

      Responder
  68. Sergio Gonçalves

    Sim, era esperado que os infiéis se manifestassem: “o jogo foi chato”, “faltou emoção” e outras pataquadas. Francamente, quando busco emoção, choro e olhares enviesados prefiro uma novela mexicana ou o depoimento de Lula a Sergio Moro.
    Eu não chegaria ao ponto de propor uma mudança de nome para o croata, de Marin Cilic para Marin Chilique. Mas, convenhamos, ninguém chora por uma bolha no pé. Já vimos tenistas enfrentarem agruras piores e seguirem em frente. Sobretudo porque chorou mas não pediu atendimento, o que demonstra que o incômodo estava longe de ser incapacitante. Na verdade, o bom Marin sucumbiu emocionalmente à avassaladora exuberância do Invicto Craque Suíço. Digo mais: Cilic já entrou em quadra com cara de cachorro que mijou na sala.
    Agora, qualquer pessoa que já assistiu a pelo menos uma partida de tênis sabe do abismo técnico entre os dois oponentes de hoje em Londres. Marin só venceu o Craque em uma partida numa série de oito. E mesmo assim quando estava jogando o melhor de sua carreira. Hoje, com ou sem bolha assassina, Federer poderia ter jogado de coturnos ou empunhando uma raquete elétrica de matar mosquito e venceria.
    Todos nós, mesmo os admiradores do Siri Saltitante, deveríamos nos dar as mãos e agradecer pela oportunidade de ver o maior de todos em ação. Claro que falo no sentido figurado. Tenho medo de apertar as mãos de quem admira um sujeito que dá cabeçadas no batente da porta ou cai se contorcendo e fazendo caretas no meio de uma entrevista coletiva. Ou fala de forma incompreensível mesmo no seu idioma natal (não confundir com idioma Nadal, que só ele domina).
    Depois da entrevista coletiva Rogério me ligou, com faz habitualmente. Estava sereno o mega craque. Sua maior preocupação era comprar roupas para os filhos numa liquidação da Harrods. Rogério, como alguns sabem, é ligeiramente mão fechada. Mas essa pequena sovinice desaparece quando entra em quadra. Ali dentro ele entrega tudo, todo o seu talento, carisma e vocação para a grandeza. O tempo passa, o tempo voa e o Craque segue tirando proveito de uma entressafra de bons tenistas que já dura 14 anos. Geração fraca após geração fraca, Rogério segue escovando a meninada sem piedade.
    E não esqueçam: o Supremo Craque já avisou que pretende retornar em 2018.
    Desse jeito Cilic e muito outros vão continuar a tremer o beicinho com antecedência.
    Federer é o tênis.

    Responder
    1. julio

      quanta pobreza de espírito, quanta maldade no seu coração. Pelo jeito vc deve ser daqueles que empanturram de pipoca, ou picanha bem gorda, cerveja de barril, com aquela barriga proeminente, e que fica sem ar com o erforço físico do Federr ao dar uma raquetada.
      Seja mais condescendente com os outros, se coloque no lugar do Cilic, que demonstrou que estava muito bem nos dois primeiros games, e depois caiu de rendimento. O cara se sentiu impotente, sem poder fazer nada, se preparou tanto para isto, é a vida dele que se esvai, aí chega vc com toda a sua maldade e ignorância. Acho que todos mereciam um final melhor, com uma final sem emoção nenhuma, acredito que nem o Federer ficou feliz com isso. mas ai ficam todos babando como se tivesse sido um GRAND SLAM NA GRAMA SAGRADA, CHEIO DE GENTE RECLAMANDO DE TUDO, mas ninguem pode reclamar porque se não são bebes choroes.
      O CARA SE PREPARA PARA UM GRAN SLAM DECENTE E ENCONTRA ALGO SURREAL E AINDA ESTÁ ERRADO EM RECLAMAR DE UMA GRAMA PORCARIA, porque todos os especialistas que estão assistindo estão cobertos de razão em tudo e são todos jogadores de tênis, que treinam 12 horas por dias e seis vezes por semana e todos já ganharam DO NADAL, DO NOLE, DO MURRAY.
      TREMENDA FALTA DE COMPAIXÃO DE TUDO E DE TODOS, POIS A ÚNICA COISA QUE INTERESSA É O SEU ÍDOLO GANHAR A PARTIDA.
      ai fica um monte de fanáticos brigando como tontos, chingando a mãe do outro, desprezando os feitos do adversário do seu ídolo.
      SABE AQUELA COISA DE CRIANÇA, MEU PAI É MAIS BONITO, O MEU PAI VAI BATER NO SEU, BLÁ BLÁ BLÁ.
      VAMOS COPIAR O ESTILO DE ALGUMAS PESSOAS DAQUI, COMO A NADALETE “ALICE”, QUE ENTENDE DE TENIS E AINDA TEM ESTILO E NÃO AGRIDE NINGUÉM.
      MUITA GENTE A CHAMA DE VOVÓ, COMO SE EDUCAÇÃO VIESSE DE BERÇO OU COM A IDADE.
      ATÉ NA HORA DE TECER ELOGIOS SE TENTA DENEGRIR OU ATÉ MENOSPREZAR ALGUÉM.
      ISTO ´PORQUE É NUM BLOG DE T~ENIS, DE PESSOAS COM UM GOSTO MAIS APURADO,, IMAGINEM O QUE SE OUVE E SE LE NOS OUTROS ESPAÇÕS.
      IMAGINEM A CABEÇA DO DALCIN NUMA HORA DESSAS, MAS ALGUÉM TEM QUE COMANDAR ISSO NÉ.
      Agora vai vir um monte de mané com os MIMIMIMI de sempre me atacar, como se eu estivesse errado.
      MAS EU NÃO VOU RESPONDER NENHUMA ABOBRINHA.
      VOU DAR UMA DICA PARA VCS,
      O MAIS IMPORTANTE NÃO É PERDOAR OFENSAS.
      O MAIS IMPORTANTE É NÃO SE SE SENTIR ATINGIDOS POR CRIANCIÇES.
      NUNCA SE SINTA ATINGIDO POR UM GOLPE BAIXO, COISINHA DE CRIANÇA MIMADA.
      A NÃO SER QUE VC SE SENTE NUM FORMIGUEIRO.
      ABRAÇOS ALICE E PESSOAS AFIM.
      DALCIM, POR FAVOR DE UM COMENTÁRIO SOBRE TUDO ISSO, VAMOS TORNAR ESTE ESPAÇO PRAZEROSO DE SE LER.

      Responder
    2. rafael martins

      Estou no trabalho, leio ” Tenho medo de apertar as mãos de quem admira um sujeito que dá cabeçadas no batente da porta ou cai se contorcendo e fazendo caretas no meio de uma entrevista coletiva. Ou fala de forma incompreensível mesmo no seu idioma natal (não confundir com idioma Nadal, que só ele domina)”.

      Gargalho. Todos olham com semblante reprovador. Alguns gostam de tênis. Convido-os para ler o comentário do compadre.

      A gargalhada é geral.

      Responder
      1. Sergio Gonçalves

        Agradeço de coração pelos amigos que tiveram a boa vontade de ler minha bobagens durante Wimbledon.
        Paulo, o nome é Roger para o mundo. Para os íntimos é Rogério. E meu agradecimento especial ao Dalcim pela paciência de sempre.
        Para que não sabe, o nosso Dalcim é um monge tibetano caucasiano.

        Responder
  69. Gilvan

    E o aproveitamento de pontos do Federer neste ano?
    Fez um total de 6545 pontos em 7.250 disputados. Mais de 90% de aproveitamento. Se levar em conta soh os torneios de 1a linha, (M1000 e GS), temos 100% de aproveitamento. Eh um abuso!

    Responder
  70. Márcio Souza

    No match point o Federer falou alguma coisa, mas no calor do momento eu não entendi.
    Só vendo as reprises é que pude finalmente entender.
    Antes de sacar pra fechar o jogo com um ACE ele perguntou pro Cilic:
    – Cilic você quer CPF na nota?
    O Cilic:
    – Hã?
    E o FEDERER:
    – ENTÃO TOMA!

    FEDERER CAMPEÃO! Kkkkkkkkkkk

    Responder
  71. Adriano Miura

    Foi boa essa parada do Federer ano passado, fez uma “”cirurgia”” e aproveitou pra dar aquela turbinada no corpo e voltar voando em 2017. Depois ainda falam do Rafa, mas ninguém questiona todo esse “fôlego” do suíço, deve ser a genética, cof cof.

    Responder
    1. André Barcellos

      Doping não faz o sujeito mandar 30 bolas na linha por partida. Isso é precisão e técnica.
      Se ele vencesse na base do fôlego, ok…como faz o sujeito de Malorca.
      Mas ganhando em três sets.
      Aliás, já são dois torneios sem perder sets.

      Responder
    2. Nando

      Vc é a versão baloete do Léo Gavio (ou Lola, ou Bruno Louzada ou Paulo Coelho dos comentários) ?
      Engole o choro e segue os números abaixo:

      19 (8-5-5-1)
      302 (237)
      6
      93

      Responder
    3. GILDOKSON

      Até pq ele ta correndo pra la e pra ca, rebatendo 300 bolas e colhendo 60% de seus pontos nos erros dos adversários neh?! kkkk
      Respeite o tênis do Gênio… aliás… depois de hoje, desrespeitar Federer é desrespeitar o tênis.

      Responder
    4. Mário Fagundes

      Miura, torcedor de quem? rsrsrsrsrsrs. Rapaz, Federer jogou Wimbledon gripado, portanto a parte física não estava 100%. Técnica, tática e mental fortes fizeram a diferença.

      Responder
    5. Chileno

      Vou fingir que você não está simplesmente causando uma polêmica cretina e responder como se você realmente quisesse comparar o desempenho físico do Federer e do Nadal.

      A diferença básica é que o Federer ganha a maioria esmagadora dos pontos em até 4 golpes, sendo que sacando, é rotineiro vê-lo vencer os pontos já no próprio saque ou na segunda bola. Mesmo em games de devolução é comum vê-lo subir à rede e finalizar no voleio.

      Nadal, ao contrário, normalmente alonga os pontos, entra em longos ralis, e ganha os pontos depois de 12 ou mais golpes (dos quais muitos são bolas praticamente indefensáveis que ele alcança), com um erro não-forçado do adversário ou aplicando uma passada quando o oponente se cansou de ficar trocando no fundo e veio tentar o all in na rede.

      Nem mesmo no saque o espanhol ganha pontos tão rápido assim. Praticamente só parte pro winner e tenta vencer o ponto na segunda bola quando o primeiro saque aberto dele entra.

      Responder
    6. Marcelo Araújo

      Que comentário infeliz, Adriano. Você está se igualando a quem deprecia Nadal por sua forma física. Eu, por exemplo, não gosto das caretas, dos tocs, das manias, dos balões, do jogo feio e das comemorações efusivas do Rafa, mas nunca associei o seu preparo físico a qualquer tipo de doping. Lamentável comentário, saiba perder como seu ídolo…

      Responder
    7. Walter Osório

      Um certo Nadal também parou no segundo semestre do ano passado. E ao contrário de Federer ele tem “permissão” para se dopar (TUE). Ainda bem que o “Rei do Saibro” não tem sobrenome russo. Se ele se chamasse Nadalov já estaria banido do esporte. Melhor não jogar pedras no telhado dos outros se o seu (dele Nadal) telhado já está quebrado. Creio que o Sr. Dalcim sabe do que estou falando. Federer é o cara ! O resto é “epicondilite”.

      Responder
    8. André Luiz

      O jogo do suíço atualmente não está baseado nem um pouco no ”fôlego”. Seus jogos e seus pontos são bem mais rápidos do que o de seus principais adversários. E ele vem jogando bem menos torneios.

      Responder
  72. Rodrigo Galdino

    Mestre parabéns pela cobertura.
    Federer poderia inovar e aparecer só para jogar Slam,que acha ? Rsrsrs
    Acho que ele vai de Cincy,US Open,Basel e Finals,penso que já está ok.
    10 ou 12 torneios por ano com pausas longos o garantem até 2020.

    Responder
  73. Rafael Brasiliense

    E o Frauderer, como diz o brilhante Luisão, venceu seu oitavo título em Wimbledon. Foram oito fraudes na Inglaterra, cinco na Austrália, um na França e outros cinco nos EUA. Como esse homem é fraudulento!!!

    Responder
  74. Gilvan

    Fiquei triste pelo desempenho do Cilic. Comecou o jogo sacando mal e a falta de confianca no saque soh fez empilhar problemas (faltou confianca no backhand, no forehand). Foi um desastre.
    Federer, que nao tinha nada com isso, jogou para o Cilic a responsabilidade de definir os pontos e ganhou varios pontos de graca.
    Foi bem mais facil do que todos imaginavam, mas essa eh a tonica do suico> ele faz tudo parecer mais facil.
    Dalcim, qual seria o proximo grande objetivo do Federer? US Open? Voltar a lideranca do ranking? Nao duvido de mais nada.

    Responder
  75. WESCLEY FERREIRA DE SOUSA

    Grande post Dalcin, Aliás, grande dia para os amantes do tênis. Eu acredito que Federer assume o n° 1 após Cincinnati se ele jogar Montreal também.

    Responder
  76. Carlos Lira

    Viva a ciência, Dalcim!

    É ela que nos permite ver Federer, com seus 35 anos, correndo como um garoto e Nadal correndo como um moleque com seus 31 anos.

    Você acredita que Nadal possa jogar até que ano?
    Você acredita que Federer possa jogar até que ano?

    PS.: Federer é favorito para o USOpen.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nadal me surpreendeu esta temporada com sua volta triunfal. Tomara que saiba economizar no calendário, o que garantirá mais dois ou três anos pelo menos de grande tênis. Federer certamente jogará 2018, e se for bem 2019. Acho que no caso dele a conta é ano a ano.

      Responder
  77. El Loco

    Boa noite Dalcim. Eu aprendi uma coisa depois do AO17. Não há como fazer previsões sobre Roger Federer. Sabe por quê? Porque teimamos em usar a nossa régua. E RF é outra medida. Abs

    Responder
  78. Renato

    Igor, eu penso que Roger tem amor pelo esporte e
    Joga por recordes. Creio que ele quer se assegurar de que não será alcançado por nenhum outro tenista nos recordes mais importantes. Quer jogar para ter uma boa margem de segurança, e está conseguindo. É campeão! É campeão! É campeão! Pergunta: Será que Federer é a reencarnação do DEUS do tênis, RAKETIS?

    Responder
  79. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    no final da transmissão o comentarista do SporTV falou que o Federer é considerado, por diversos especialistas, como melhor tenista de todos os tempos. Sei que alguns especialistas, poucos diga-se de passagem, consideram Rod Laver como o maior.
    Agora quanto ao Nadal você já leu ou ouviu falar de algum comentarista ou especialista da área que seja sério e principalmente imparcial que tenha apontado o Nadal como o maior tenista? E caso a resposta seja negativa, o espanhol poderia ficar no TOP5 da história do esporte, ou por enquanto também não? O que me diz mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, já ouvi sim alguém falar do Nadal. Claro que Rafa está na lista dos melhores da história, senão dos 5 de alguns, certamente dos 10 de todos.

      Responder
  80. Felipe

    Mestre,

    Acho que a bolha começou a ser insuportável no 2o set, quando ele percebeu que já tinha perdido a parcial e por isso segurou o atendimento médico para o início do 3o…Uma vez que ele só poderia ser atendido uma vez pelo problema. Pode ser?
    Agora uma dúvida: ao pedir o atendimento, o juiz não tem que anunciar o motivo do mesmo?
    Abs e que venha o 20o no US!!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que se você perde o primeiro set já com dor (ao menos foi o que ele disse), deveria ter se tratado imediatamente. Por que então chamou o fisio assim que acabou o primeiro set? Acho que ali havia muito mais de emocional do que físico.

      Responder
  81. Marcio

    Grande Dalcim, obrigado pelo excelente trabalho nessas duas semanas, é um prazer poder acompanhar um esporte e ter sempre tantas referências, estatísticas, curiosidades e opiniões de alguém que entende. Isso enriquece demais a nossa “participação”.

    Entendo perfeitamente que as pessoas tenham um ou outro tenista preferido, mas, sinceramente, acho uma pena que se prendam tanto nisso a ponto de não conseguir apreciar esse momento mágico que estamos vivendo no esporte que amamos. É um ano épico, Nadal ganhando praticamente tudo no saibro, conquistando seu 10o RG, e no mesmo ano vemos o melhor tenista de todos os tempos jogando provavelmente o melhor tênis de sua vida, se isolando como maior campeão no maior palco do esporte. E ainda temos mais meio ano pela frente para presenciamos os dois se reinventando e disputando os principais títulos da quadra dura e o posto de numero um da temporada. Incrível!!! Aproveitemos mais e guardemos esses momentos na memória, pois tenho absoluta certeza que vivemos algo histórico, daqueles que vamos sempre relembrar com filhos e netos, podendo dizer que presenciamos isso acontecer, assim como alguns de nós ouvimos histórias de Pelé, Garrincha, etc.

    Curtamos mais, amemos mais!! O mundo não precisa de haters, o mundo precisa de amor, e nós tb. Grande abraço a todos!!

    Responder
  82. Nando

    Mestre, e aquele abraço do Federer no Edberg? Pra mim, ele tem uma parcela desse “ressurgimento” do Rei q começou em 2014…e no fundo, ele sabe sempre fará parte do time né? Concorda?
    E Ljubicic, parabéns, mto mérito esse cara tem tbm.

    Responder
  83. Arthur

    Último comentário da noite, Dalcim, pra não “flodar”, hehehe.
    Assim como no AO, em WB Federer fez uma espécie de “pré-temporada”, sem jogar quase nada e treinando muito.
    E, tal como na Austrália, aqui mais uma vez o suíço faturou o título.
    Será que o Federer está estabelecendo, ainda que indiretamente, um novo padrão para o tênis de alto nível?
    Quer dizer: será que daqui pra frente os outros grandes jogadores também não deverão fazer pausas maiores entre os grandes torneios, a fim de chegarem mais inteiros aos Slams?
    Eis a pergunta que não quer calar.

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, Nadal fez o caminho totalmente inverso e venceu Roland Garros. Mas acho que, em termos de Wimbledon, é um caminho a se estudar.

      Responder
    2. André Barcellos

      Creio que esse caminho é bem diferente. Como diz o Cleto, não houve quem tentasse e agora um tenta e consegue.
      Talvez seja só um padrão Federer mesmo.

      Responder
    3. Jose Yoh

      Acho que muitos acima dos 30 vão mudar seus calendários a partir de agora.
      O Wawrinka acho que já faz isso dedicando-se menos aos M1000 e mais aos Slams.

      Vai ser como na F1 onde é necessário economizar pneus, motor e combustível, rs.
      Parece-me também que há uma obrigação dos tenistas jogarem um número mínimo de torneios por ano até uma certa idade, estou certo Dalcim?

      Responder
  84. Arthur

    Dalcim,

    No meio dessa hype toda do 8º WB do Federer, gostaria de lançar uma provocação:
    Até que ponto mais um título na grama contribui para o status de GOAT do Federer?
    Eu mesmo já disse aqui que pra mim tal coisa não existe, mas o fato é que muita gente gosta de “rankear” jogadores de eras diferentes com base nos Slams que ganharam.
    Pra mim, o título em si muda muito pouco, porque o suíço já era tido há muito tempo como o melhor jogador da grama de todos os tempos. Não creio que um WB a mais ou a menos possa fazer diferença (assim como serem 18 ou 19 Majors).
    O que realmente acho que deveria pesar é o fato de ter conseguido levantar o caneco com essa idade, numa época em que o físico (e, portanto, a jovialidade) ditam o ritmo do tênis.

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que há dois feitos incríveis aí: vencer depois de cinco anos (e duas derrotas frustrantes) e ganhar tão perto dos 36. E também ficar acima de Pete Sampras. Wimbledon é o torneio que mais combina com ele, devido ao estilo clássico.

      Responder
  85. Marcelo F

    Parabéns ao Federer. Se alguém no tênis pode ser chamado de craque, esse alguém só pode ser ele. Não é meu preferido, por diversas razões, mas não sou tolo de não reconhecer sua grandeza. Legal também ver novos nomes aqui nos comentários, todos educados e respeitos, como pede esse maravilhoso esporte.

    Responder
  86. José Eduardo Pessanha

    Dalcim,

    Eu acompanho essa molecada que vem aí, mas não consigo fazer um prognóstico sobre eles. O que você espera de Thiem (que não é mais garoto), Zverev, Shapovalov e Felix para 2018?

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Thiem e Zverev já podem se candidatar a títulos grandes (o alemão já ganhou Roma), mas os canadenses ainda estão distantes. Shapovalov talvez um ATP.

      Responder
  87. Márcio Souza

    Brilhante texto Mestre!

    Tanto quanto brilhantes foram os feitos de Federer, Melo/Kubot e Muguruza.
    Hoje foi mais um dia especial nas vidas de quem torce e admira o GOAT assim como foi no dia da conquista do AO.

    Vida longa ai REI!
    Vida longa ao Blog do Tênis!
    Vida longa ao Mestre Dalcim!
    E que possamos novamente ultrapassar os 1.000 comentários.

    Um ótimo final de domingo a todos!

    Que dia feliz!

    Abs.

    Responder
  88. Arthur

    Curioso, Dalcim, como essa final teve um certo sentimento de anti-clímax.
    Porque, de certa maneira, o desempenho do Cilic – seja por conta da bolha ou de qualquer outra coisa – acabou eclipsando a façanha do Federer.
    Como o suíço não tem nada a ver com isso, mais um WB no saco.
    Para o restante da temporada, a meu ver já não há grandes dúvidas de que Federer terminará o ano como nº. 1.
    Historicamente, Nadal tem um segundo semestre mais fraco que o primeiro. E todos os torneios daqui pra frente, à exceção de Paris, favorecem o jogo do Federer.
    Com Murray e Djoko no estaleiro, já se pode dizer que o suíço é favorito para USOpen e Finals, o que o deixaria bem à frente do espanhol.
    A conferir.

    Um abraço.

    Responder
  89. Marquinhos

    Primeiramente, uma salva de palmas para Roger Federer. O MAIOR e MELHOR tenista da história, com FOLGAS, DISPARADO!

    Clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clapclap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap clap

    Bom, não foi a final dos sonhos devido as condições do adversário. Mas tenho certeza que, contra quem fosse, mesmo em suas melhores condições, Roger venceria QUALQUER ADVERSÁRIO na final de Wimbledon. Se fosse Nadal, tomaria um 3 x 0. Novak, idem! Mas não podemos negar que a conquista foi merecida, pois Roger jogou melhor que todos os outros no torneio. Jogou contra adversários talhados para a grama. Devolveu melhor do que nunca, quase tão bem como Djokovic. E como o próprio Dalcim disse: “Wimbledon é o maior e mais importante torneio que existe” E quem é o maior vencedor? Roger Federer! Nada é por acaso.

    Federer já era o REI DAS SINTÉTICAS. Agora se isolou de forma incontestável como O REI DA GRAMA. E não tem como negar que, mesmo atrás do baloeiro na corrida dos campeões, Federer é sem dúvidas O MELHOR TENISTA DO ANO! Vamos aos fatos:

    – Federer tem 100% de aproveitamento, em slam, no ano. Não perdeu nenhum jogo. Sensacional!
    – 100 % de aproveitamento em Maters 1000. Venceu o dois masters mais importantes do ano.
    – 100% de aproveitamento em finais. Cinco decisões, cinco títulos.
    – Não perdeu nenhum jogo nos quatro torneios mais importantes que disputou.
    – Venceu os três jogos e três finais que jogou contra o segundo melhor do ano: Rafael Nadal, vulgo, baloeiro.

    Mais um feito para acrescentar ao currículo do mestre: Federer e Borg são os dois únicos dois tenistas a vencer dois slam diferentes sem perder sets. Valeu Sérgio Ribeiro! Federer é realmente UMA MÁQUINA DE FEITOS E RECORDES.

    Como fica a briga para ver quem vai ser o recordista de slam? Fica assim:

    Djokovic: Pra mim ,a chance é zero! Novak vai ganhar slam ainda, talvez uns dois ou três, mas, provavelmente, vai ficar atrás de Nadal. O sérvio passou de competidor para um simples RETARDATÁRIO.
    Nadal: Daria 1% de chances para não dizer que é Zero. Chances de slam, apenas no barro.

    Vocês lembram quando Novak disse que Federer não dependia mais de sua própria raquete pra vencer slam? Que dificilmente venceria de novo? Pois é, são mais dois na conta. Agora a real é: Nas sintéticas e na grama, tanto Novak quanto Nadal não dependem mais de suas raquetes. Se Federer estiver jogando como vem jogando, os dois maratenistas vão apenas brigar pelo vice.

    U.S OPEN já tem um favoritaço, e se chama ROGER FEDERER.

    Se alguém estiver com raiva, recalque ou quiser se matar, eu tenho o telefone de um ótimo psquiatra: Telefone para contato: 0(19)1919-1919 Boa sorte!

    Abraço Sérgio, Márcio, Nando, Brack, Wutrich, Rodrigo e demais federistas.

    Responder
    1. Márcio Souza

      Que comentário brilhante Marquinhos!

      Rachei rir aqui no final com o número de telefone kkkkkkkk

      Muito bom!

      Estamos juntos ai parceiro e que venham mais conquistas esse ano ainda pro GOAT, o 20° GS e o número 1 novamente estão logo ali e jogando dessa forma em questão de semanas o Craque busca esses feitos.

      Parabéns a todos nós TORCEDORES DO FEDERER que sempre ACREDITAMOS que o MAIOR e MELHOR fosse voltar a ganhar GS novamente.

      Agora é só comemorar e muito e tirar onda dos sem noção que tinham APOSENTADO o Craque suíço.

      Abs.

      Responder
    2. Samyr

      Federer venceu três jogos contra o Natal esse ano, mas apenas dois foram em finais, AO e Miami. Em Indian Wells ele se enfrentaram nas oitavas-de-final.

      Responder
  90. Paulo F.

    Vendo Marcelo Melo conquistar Wimbledon:
    – Mestre Dalcin, por quê tanta obsessão da América Latina pelo saibro, por quê restringir tanto nosso tênis apenas a um piso?
    Que coisa!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu digo há alguns anos que o saibro é importante como formação do tenista, mas que devemos ampliar o circuito juvenil e os torneios futures e challengers para mais quadra sintética, a fim de formar tenistas mais versáteis. Isso é urgente.

      Responder
  91. Fernando Godinho

    Dalcim, tenho a impressão de que o Federer hoje aprecia muito mais o fato de estar jogando. Parece que está se divertindo mais com o tênis e curtindo os momentos, o que o deixa mais solto e consequentemente os resultados aparecem. Pode ter sido quando percebeu a falta que o tênis fazia na vida dele nos 6 meses parado. Você também tem essa sensação?

    Responder
    1. Jose Yoh

      Federer, como é um tenista que gosta de jogar no ataque, deve preferir momentos onde a pressão é menor. A confiança sobe.
      Então com 19 Slams na conta, sem pressão nenhuma, fica mais fácil um vigésimo!

      Responder
  92. Renato Toniol

    Final de semana magíco.
    Melo campeão nas duplas, e Federer em simples.
    Verdade que a lesãondo Cilic empobreceu a final, mas Federer que nada tem a ver com isso, cumpriu à risca o seu papel. Sacou com maestria, e ofereceu somente um break point em toda a partida.
    E espero que tão logo Novak e Andy estejam recuperados de suas lesões, pois como amante do tênis, o bom é assistirmos a luta entre os grandes deste esporte.
    Que venha o US Open.

    Responder
  93. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, mais uma previsão. Imaginemos que, daqui a 10 ou 12 anos, Federer resolva disputar jogos em Wimbledon como “senior”. Em qual quadra de Wimbledon ele jogaria? Dou uma cerveja Cacildis (muito ruim, estragaram o santo legado de Mussum com essa cerva) para quem adivinhar. kkkk
    Abs

    Responder
  94. Diego Bezerra

    É impressionate o q Roger fez e segue a fazer! Viajar ao mundo inteiro, cumprir calendário, compromissos, viajar c a família, filhos pequenos. Parabéns a Mirka ela tem Gana ao ver Roger vencer! Nunca se fez presente uma Final entre Roger e Rafa no Usopen, será q acontecerá? Tem muito chão pela frente e ainda!!! Esperaremos!!

    Responder
  95. José Eduardo Pessanha

    Os recordes de Connors serão os objetivos finais de Roger Federer. Se Federer estava, no início do ano, a inatingíveis 21 títulos de distância de Connors, agora a diferença caiu para 16, podendo chegar no final do ano, com uma dose de sorte, a 11 ou até mesmo a 10. Se isso acontecer, não tenham dúvidas de que Federer passará Connors mais cedo ou mais tarde.
    O recorde que parecia mais fácil de atingir, 1256 vitórias, está se tornando, surpreendentemente, o mais difícil de ser alcançado. Federer está a 145 jogos de igualá-lo. Dessa forma, considerando que o maestro se mantenha saudável e disputando a maior parte dos torneios, Federer teria que jogar as temporadas de 2018 e de 2019 em grande nível e, mesmo assim, não alcançaria esse recorde. Ele teria, então, que encontrar motivação para jogar as próximas Olimpíadas. Caso isso aconteça, Federer poderia encerrar a carreira em 2020 com a medalha de ouro olímpica, o recorde de títulos e o recorde de vitórias. Números inatingíveis, que ficarão para a eternidade. Abs.

    Responder
    1. Thiago Prada

      Caro Pessanha,
      Acho que o recorde de títulos o Federer realmente pode chegar, se continuar saudável e com a motivação e confiança que tem mostrado neste ano, creio que possa fazer uma ótima reta final de 2017 e um ano igualmente fantástico em 2018, isso é claro, se o físico continuar ajudando, pois vontade ele tem, mas, como você mesmo disse, o recorde de vitórias se distancia justamente pelo calendário mais enxuto, logo, menos partidas, acho que com o calendário cada vez mais curto, pulando o saibro, ficará muito difícil.

      Responder
    2. Paulo F.

      Não é nada impossível.
      Bastaria Federer jogar uns 15 torneios 250 mamatas que conseguiria isso fácil.
      E, sinceramente, isso importa?
      Olha a magnitude dos títulos de Federer comparados aos do Connors…

      Responder
  96. Julio Calleja

    Tudo no Federer remonta a duas percepções estranhamente antagônicas. A ideia de grandeza e de simplicidade.
    Isso pode ser visto tanto na experiencia do seu jogo, onde o lado superdotado de sua tecnica, genialidade e criatividade caminha junto com a sensação de simplicidade, naturalidade de gestos e golpes. Da mesma que, seus feitos, recordes, titulos e popularidade o eleva a uma condição de mito, lenda do esporte em paralelo a sua personalidade “cool”, casual, seja na sua forma de caminhar, nas suas declarações e expressão facial. Acredito ser tal combinação, essa construção de sua persona, como uma alegoria de Deus/Humano, Metafisica/Imanência, Natureza/Tecnica, Arte/Trabalho que ajuda entender seu magnetismo e o que ele representa no imaginário das pessoas.

    Responder
  97. Marcos Marinho

    Depois da catarse do Australian Open, naquela vitoria memorável sobre Nadal com um quinto set impecável do maestro suíço, devo dizer que essa final foi frustrante. Mas não tira o brilho de Roger neste 2017 notável. Que monstro sagrado do esporte. Não há dúvidas que Roger é o maior atleta do século XXI até o momento. Mesmo Phelps ou Bolt correm atrás do maestro, pois o tênis é um esporte mais complexo e exigente que as provas de tiro curto do atletismo e da natação. Vida longa ao rei Roger Federer!

    Que venha o US Open e o #1 ao final da temporada!

    Responder
  98. Diego Bezerra

    Essa Final q vimos hj de fato N foi tão exigente como pensávamos, se bem q na postagem passada eu crevei um 3×0 6/4, 6/3 e 6/3 em 1h35min, que por sinal Dalcim. Quem ganhou o desafio???

    Responder
  99. Leonardo Felix

    Caro Dalcim, boa noite!

    Uma pena o Cilic ter enfrentado problemas, sejam físicos ou psicológicos, nesta final. ma gostaria de saber se você concorda com esta minha análise. Nos primeiros games eu senti que ele teria plenas condições de colocar Federer em dificuldades, usando tática bem similar àquela do ano passado, ali mesmo em Wimbledon, e também no US Open de 2014: bolas profundas e pesadas na esquerda, intercalando com cruzadas na direita para fazer o suíço bater sempre na corrida (e desconfortável).

    Só que Federer conseguiu aguentar o rojão e, aproveitando-se da recente disciplina tática, passou a quebrar o ritmo do jogo: ora devolvia o saque com golpes firmes de esquerda, ora dava um slicinho sem peso pra balançar o croata e tirá-lo do conforto da linha de base. Deu certo, a quebra veio no meio do primeiro set e Cilic parece ter acusado demais o golpe. Não fosse isso, é bem provável que o jogo tivesse sido mais complicado, mesmo com as bolhas. Federer conseguiu colocar na cabeça de Cilic que ele não teria como reverter o placar, e o problema no pé acabou por incomodá-lo ainda mais.

    Aproveito para deixar outra dúvida:

    Federer parece ter descoberto um novo “elixir da longevidade” no esporte ao determinar um calendário com afastamentos pontuais das competições (tática que começou de forma “forçada”, devido à sua lesão, mas agora ocorreu de maneira planejada na gira de saibro). Você acredita que outros jogadores possam seguir essa tendência e isso se tornar algo corriqueiro no circuito?

    Abraços e parabéns pelas sempre pertinentes análises ao longo de todo o torneio.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Leonardo, acho que ele pode sim estar mostrando um caminho necessário para quem quer longevidade no alto nível. Há algum tempo ele vem encurtando o calendário, e Djokovic já seguiu seus passos. Essas paradas programadas podem mesmo virar uma tendência, ainda mais com o que Federer e Nadal mostraram em 2017.

      Responder
  100. nando_4012@hotmail.com

    Mestre, fazendo uma projeção pro Rei até o fim do ano, acha q ele disputará os seguintes torneios?
    Montreal, Cincy, US Open…1 mês de descanso, Xangai, Basel…descanso, e Finals?
    Acho q Paris ele não joga.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, tenho dúvida se ele irá a Xangai. Apesar do piso bem rápido, a viagem é muito desgastante. Eu trocaria Paris por Xangai.

      Responder
  101. Hélio Coelho

    Que privilégio poder testemunhar Roger Federer jogar ! Já podemos imaginar um 2017 perfeito con O US Open e o número 1 ao final do ano … Com o Ranking atual , Ele e Nadal só nas finais .. Djoko E Murray lesionados , sou mais Roger nas quadras duras americanas !!!

    Responder
  102. Igor

    Dalcim, eu me pergunto sempre:

    O que será que motiva o Federer a trabalhar duro para co tinuar competindo em alto nível com os tops?

    Quero acreditar que só pode ser amor pelo esporte!

    Milionário, melhor de todos os tempos…não precisa provar nada pra mais ninguém.

    Eu iria curtir a vida! Haha

    Abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza é o amor pelo esporte e o prazer de jogar tênis, Igor. Se você joga e gosta de desafios, deve entender bem isso.

      Responder
  103. Silvio Paccola Jr.

    Dalcim, 2 perguntas:
    A) qual o grande/importante recorde que o Federer nao tem?
    B) qual seria agora o grande objetivo: 20 Slans, 100 títulos, ou 1200 vitorias?
    Abs e parabéns pela cobertura de Wimbledon.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, pensando rapidamente acho que ele não tem o de títulos de Masters 1000. Acho que seu grande objetivo é o 20º Slam e depois o 100º título.

      Responder
  104. Diego Bezerra

    Olá Dalicim, hj presenciamos um marco N somente na história do Tênis mas sim na história do esporte!! Ver Roger ultrapassar Sampras em títulos na grama sagrada!!! Isso é formidável. Qnd Roger ganhou Wimbledon 2012, em um dos seus blogs eu comentei q Roger poderia chegar aos 20 Slams, enfim aos trancos e barrancos ( derrota p Nole em 3 finais de Slams e lesões) o suíço chega num patamar em 2017 a se considerar a sua melhor forma técnica e taticamente falando!!! Go Roger!!!

    Responder
  105. Bartolomeu

    De Federer, não se espera nada menos do que o absoluto – é um daqueles raros esportistas que transcendeu o esporte que pratica, tornando-se um símbolo de excelência, de beleza, de exuberância.

    Djokovic e Nadal, seus dois maiores rivais, nunca conseguirão esse feito: nunca serão mais do que excelentes tenistas, eternamente confinados ao esporte que praticam, em voga nos jornais quando ganharem títulos, mas muito longe dessa transcendência conseguida por Federer. A ele sempre será reservada a quadra central, a aura de lenda viva, de mito. Exatamente igual Pelé, Muhammad Ali, Michael Jordan.

    Ao mesmo, detratores existem, é inevitável. E logo veremos aqui no blog argumentações sobre uma suposta geração fraca, sobre os números do H2H e outras tolices. É o que podem fazer enquanto a caravana passa. E, sobre isso, digo o que segue:

    1-) Federer está no circuito há vinte anos. Enfrentou diversas gerações tenistas, e o seu saldo é absolutamente triunfante. Esteve diante de Sampras/Agassi, e depois Kuerten/Kafelnikov, Hewitt/Safin, Nadal/Djokovic, Raonic/Dimitrov e agora Zverev/Thiem. E, ao final desses 20 anos, nunca nenhum outro tenista da história conseguiu tantas semanas como número 1 do mundo e números tão expressivos em torneios de primeira linha (não apenas títulos – falo também de finais, semifinais, número de vitórias). Esse é o número que prevalece.

    2-) Aliás, se alguém vir falar em confrontos direitos, é com tranquilidade que afirmo que tanto Djokovic como Nadal trocariam, rindo, o H2H que possuem pelos títulos e números do Federer.

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Em matéria de longevidade, só Pancho Gonzales, Rod Laver e Ken Rosewall tiveram carreiras consistentes depois dos 30. E, mesmo assim, Só Rosewall chegou a resultados nos Slam. Nenhum deles se compara a Federer que, se conseguir realmente vencer Cincinatti e o US Open, voltará ao número 1.

      Responder
  106. Marcelo ab

    Resumiu tudo dalciim
    Parabéns. Alguguns vão dizer q a condição dos outros big 4 facilitou a conquista de RF , mas quando Novak ganhou tudo a condição de federer não facilitou?
    Quanto a pular a temporada de saibro, hoje na minha opinião se mostrou uma decisão perfeita, se lembrarmos q no início da temporada o slam 18 já era improvável.
    Parabéns ao RF, apenas se isola como o
    Melhor da história

    Responder
  107. O LÓGICO

    Só no sapatinho, kkkkk, lencinho se assuando “educadamente”, sem alarde, título conquistado, nada de palhaçada na comemoração, como o faz o TIRIRICA DO TÊNIS, kkkkkkkkkkkkkkkk

    A VOVÓ ALICE DEVE TER BATIDO AS BOTAS KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    O MC FARMACÊUTICO DEVE TÁ EMBRIAGADO DE TANTO TOMAR REMÉDIO PARA CONTROLAR A INVEJA KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    O L FRÁGIDO KKKKK, DEVE TÁ TODA DESCABELADA DE TANTA RAIVA KKKKKKKKKKKKKKKKKK

    CHUPA MAIS ESSA QUE É DE UVA NADALZETES kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    NUNCA SERÃO SONINHA KKKKKKKKKKK
    LUISÃO 171 É NOIS KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Responder
  108. Marcelo P. T,

    Absurda a campanha do Federer em Wimbledon este ano!!
    O GOAT ganhou 21 sets seguidos e teve seu serviço quebrado apenas 4 vezes durante todo o torneio. Muito MONSTROO!!!!

    Dalcim, eu acho que o Nadal já foi campeão 3x em Roland Garros sem perder sets. Você sabe quantas vezes ele teve o serviço quebrado nessas conquistas? Ou sabe se algum jogador já foi campeão de algum Grand Slam sem ter seu serviço quebrado?

    Grande abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não tenho essa informação sobre o Nadal, Marcelo. Mas nunca ouvi falar que tenha havido um campeão de Slam sem perder serviços, nem mesmo em Wimbledon.

      Responder
  109. Fernando Pauli

    Respondendo ao Sergio Ribeiro:
    Não sei se você percebeu, mas depois da premiação já na parte interna ao inscreverem o seu nome de ganhador de WB 2017 a pessoa que estava com Federer no momento, começou a mostrar as datas anteriores e com o dedo indicador parou na data de 2001 e fez algum comentário ao Federer. Provavelmente relembrando quando o Rei atual desbancou o Rei anterior Sampras, na vitória das oitavas de final. Foi a primeira vez que Federer pisou na Central na vida, ali destronou Pete que vinha de 4 títulos seguidos ( 31 vitórias seguidas ). Naquela época Sampras teve que ensinar como Federer tinha que se comportar na Central, como por exemplo o lance da reverência que Federer não fez junto com Sampras, aí percebeu a gafe e a fez. Parecia que Sampras já sabia que o reinado de Federer naquele lugar sagrado estava prestes a se confirmar. Vamos ver agora se até Federer parar, surja alguém para que ele possa passar o seu reinado. Que venha o GS 20 no US Open, pois irá completar agora em 2017 nove anos que Federer não vence lá.
    Abs.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Estes foram os fatos , meu Caro Fernando. No dia seguinte conversei com meu Professor Domingos Venâncio , aqui em Cabo Frio , e no ato ele não exitou em afirmar que estávamos diante de um novo Fenômeno. E olha que o N 1 era o Manezinho da Ilha à frente de Sampras e Agassi. E Desesseis anos depois , imagina a minha emoção ao ver Domingos ao lado de meu primeiro ídolo, THOMAZ KOCH, juntos com Euzebio Resende no comando da transmissão. E todos no clima da atmosfera da Quadra Central reverenciando o Craque Suíço. Garanto que até mesmo GUGA estava curtindo a Profecia. Pete somente errou na previsão de 17 SLAM para Roger feita em WIMBLEDON 2009 rs… Grande Abraço !

      Responder
  110. LAIANE

    Um prazer ler seus textos, além da riqueza de opinião é vasta também a quantidade de informação, parabéns pelo excelente trabalho.
    Estou muito feliz com mais uma conquista de Roger, poder assisti-lo jogar com saúde, alegria e amor pelo jogo, para mim é uma grande satisfação, alcançando tantos números e tantas glórias, é ainda melhor, e eu não nego que me emocionei e chorei com ele, depois de tantas incertezas e um ano de 2016 tão duro, ganhar esse 8º Wimbledon é mesmo um sonho feito realidade. Lembro-me bem do desejo dele de que suas filhas pudessem vê-lo jogar, e hoje os quatro filhos presenciaram ele fazer história mais uma vez, foi lindo. Ganhar o torneio sem perder set, com quase 36 anos é de assombrar. Saudações a todos Federistas do blog!Por fim… #RF19 tinha que ser em #SW19.

    Responder
  111. JANAINA M.DIAS

    Sou fã do Federer, mas espero que Djoko consiga se recuperar para o US OPEN, pois quanto mais disputa entre os grandes, melhor para nós amantes do tênis. Será muito bom se Djoko, Federer e Nadal jogarem em alto nível nos EUA, bem como Wawrinka,Thiem, Zverev, etc. Assim como você, Dalcin, também acho difícil que o Murray consiga disputar o slam americano..
    Vi a declaração do Djoko agora em Wimbledon dizendo que está com esse problema no cotovelo há 1 ano e meio (! muito tempo), o que de certa forma bate com meu pensamento de que ele forçou demais em 2015, e o corpo agora tá passando a conta.. Não sou especialista médica, mas acho que após o US OPEN (se ele disputar), ele deveria fazer uma parada pra tratar seu físico..e talvez seu emocional, que me parece mais abalado do que o normal dele…

    Responder
  112. Louie

    Mestre Dalcim, primeiramente parabéns pela cobertura de Wimbledon. SENSACIONAL!!! Assisti a uma entrevista do Federer, após o jogo exclusiva para a ESPN Brasil. Deve ter dado umas 20 entrevistas exclusivas para canais de vários países. O Cara é realmente um campeão em todos os sentidos e deve ser respeitado por todos amantes do Tenis, independente de preferências pessoais. Gostaria de sua opinião quanto a participação do Ivan Lubjicic nessa nova fase do Federer. Voce acha que ele mexeu no serviço, na devolução de saque, back-hand e no mental do Federer ? abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza ajudou muito no backhand e isso inclui a devolução mais batida. E certamente isso reflete no mental. Quando Federer viu o resultado em quadra, e isso lá na Copa Hopman, é muito provável que tenha ganhado a confiança necessária. Abs!

      Responder
  113. Luiz Fernando

    Nao vi a partida mas o placar diz tudo. Federer conquistou o torneio com todos os méritos, sem perder sets, alias acho q nem set point contra ele teve. Ve-se q uma grande preparação redunda em uma grande conquista, pois agora esta claro q ele acertadamente abriu mao da temporada de saibro. Vamos pra America do Norte, la pelo menos os horários são menos ruins pra quem trabalha kkk.

    Responder
    1. Marcos Castillo

      Parabéns pelo seu comentário. Soube tirar onda quando seu ídolo esteve por cima mas também teve humildade para reconhecer o triunfo de seu rival. Acredito ser esse o espírito do blog. Abs!

      Responder
  114. Tiago castro

    Dalcim, que ano de Roger. Nem o mais fanático torcedoe imaginava isso.
    Mesmo sendo muito bom desde 2014, sempre achei que faltava um pouco de fisico para aguentar partidas seguidas contra Djokovic, murray e nadal em sequência dos torneios. Qd ele ganhava de um perdia de outro na partida seguinte.
    Mas agora ele voltou melhor q nunca.
    Vc acha
    possível Federer se manter em alto nível se ele jogar apenas os Masters 1000 e Grand Slam ??

    Responder
  115. Lucas

    Nessas horas passa pela cabeça tudo o que o Federer passou, as derrotas para o nole, as contusões, é mesmo assim nunca desistiu, mesmo já tendo ganhado tudo que ganhou, nunca desistiu, mesmo já tendo a carreira consolidada, considerado o maior tenista da história, mesmo assim nunca desistiu. Uma lenda sagrada, mais do que um ídolo pra min, é merecedor disso tudo, NUNCA PARE DE JOGAR ROGER FEDERER

    Responder
  116. Maurício

    Puxa, eu achei esse Kubot bem fominha, hein? Várias vezes ele ia lá no quadrante do Marcelo, tirava a bola dele e ainda deixava o seu quadrante totalmente desguarnecido!

    Responder
  117. Schuster

    Boa noite Dalcim e amigos !

    Realmente o Federer se consolida como o maior tenista de todos os tempos, após esta vitoria, sao 19 slams e ainda brigando pela liderança do ranking, havia comentado com vc Dalcim, no início do ano, e se.concretizou, Nadal e Federer irão brigar pelo nr 1.

    Com esta nova marcada, acho improvável Nadal ou Djoko baterem os slams de Federer, esse recorde dificilmente será batido e se for, daqui muitas décadas !

    Pra nós muito bom ter o privilégio de ver Federer atuar ! Nadal e Djoko São ótimos mas Federer e lenda mesmo !!

    Seria bacana ele assumir a liderança e ter umas semanas a mais fazendo 20 slams !

    O que deve ser triste para a nova geração e que quando Djoko e Murray perderam rendimento ressurge Federer e Nadal, parecem fazer revezamento!

    Dalcim, em quem apostaria como nr 1 ? E pra mim a maior decepção do ano e o Nick Kyrgios, tomara que não seja um grande talento que não.obtenha muita coisa, tipo o sempre citado Fognini!

    Abs e Go The Goat!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, precisamos ver o que Nadal trará de novo para a temporada de quadra dura. Se pensarmos no final do ano, acho que Federer tem um pouco mais de chance.

      Responder
    2. Willian Oliveira

      O que penso sobre um esporte é se o domínio de um grupo seleto de atletas é benéfico para ele. Como mesmo disse, quando Murray e Djokovic caíram de rendimento, Nadal e Federer ressurgiram. A boa surpresa dessa temporada foi a conquista de Zverev em Roma. De resto, sempre os mesmos, mesmo que em épocas distintas e realidades diferentes.

      O que seria benéfico para o circuito nos próximos anos?? Ver o “Big Four” ganhar cada grande título ou ver a nova geração despontando??

      Eu particularmente fico preocupado de imaginar uma temporada 2020 de tênis e ver Djokovic, Nadal e Federer como os mais cotados a títulos. Fica tudo previsível…

      Responder
  118. Bruno

    Se para uns aí,um slam e 2 master 1000 no mesmo piso já estava bom e não tinha mais obrigação de ganhar mais nada,imagina então para o melhor de todos os tempos,vulgo aposentado e cansadão. Engole mais essa manezao.

    Responder
  119. JANAINA M.DIAS

    Dalcin, tô repetindo porque o assunto é o mesmo e eu tinha esquecido o título antes:

    O RELÓGIO SUIÇO

    No céu reluzente brilha o relógio dourado de Cronos, Deus do Tempo. Um dia, um homem vindo de uma nação que adorava relógios, entra sorrateiro em seu reino e resolve mexer na Grande Engrenagem. Começa a girar os ponteiros de ouro, cada vez mais rápido, fazendo o tempo voltar pra trás…
    2017….2007…O homem em questão, tenista brilhante e mais velho, realiza então o impensável para qualquer esportista: refaz em sua madurez a performance da juventude.
    Transforma seus forehands e backhands em raios flamejantes, flutua em quadra, dispara fulgurante como o jovem que fora outrora! Desafia a Lógica, a Biologia e todas as ciências do envelhecimento e pára o tempo, na quadra, para fazer luzir seu jogo..
    Cronos, furioso, olha do alto o tenista que o ultrajou:
    – Como esse reles mortal ousa subverter minhas Leis??
    E o homem da pátria dos ponteiros responde ao Deus decano:
    – Em quadra eu faço meu próprio tempo! (e, em pensamento, acrescenta: “..e minhas leis..).
    O relógio olímpico segue furioso e enlouquecido para trás, espantando o poderoso Deus. E enquanto isso, esse tenista mais velho segue e vence tanto os jovens quanto os maduros, escala o Olimpo e finalmente lá no topo ergue aos céus seu troféu dourado!
    Em lágrimas ele pensa consigo: – Sim, também sou imortal!
    Cronos, agora desolado e incrédulo, murmura, observando o “jovem herói”:
    – Como pôde??
    E eu, nesse momento, respondo ao Senhor do Tempo:
    – Ninguém sabe Cronos…ninguém sabe.. Janaina M. Dias – SP – 16/07/17.

    Responder
    1. Daniel

      Janaína, parabéns por esse texto muito belo. Um texto à altura da magia que o suíço traz para as quadras. Até compartilhei em outro espaço, citando é claro, a autora.

      Responder
      1. JANAINA M DIAS

        Puxa, obrigada Daniel, a capacidade física que ele mostrou em 2017 me espantou muito e me inspirou também.. Fora a mágica de praxe..kk.. Um abraço!

        Responder
  120. Nívio Dorta

    Dalcim, qual sua expectativa para o calendário do Federer? Acha que vai continuar enxuto ou o suíço deve ir em buscas de pontos na briga pelo número 1?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele disse que jogará tudo de grande a partir de agora, portanto Montreál, Cincinnati e US Open estão certos. Não sei se irá a Xangai, é bem sacrificante. Mas Basileia, Paris e Londres me parecem certos.

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Não, não se preocupe com o físico.

          O Federer já se poupou até demais!

          Além disso, será a temporada de quadras rápidas, com pontos rápidos, bem à feição de como ele gosta de jogar…

          Responder
  121. Luciano Carvalho

    Dalcim, parabéns pelo post e pela excelente cobertura do torneio. Esperei o dia todo pela sua análise e ela traduz exatamente o que eu esperava.
    Na sua opinião, qual o próximo grande objetivo de Federer?
    Será que a possibilidade real de chegar ao #1 vai mudar a falta de expectativa que ele dizia ter em relação a isso ou esse desinteresse era apenas pra despistar?
    Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu acho que ele não quis colocar o carro nas frentes do boi, Luciano. Qualquer tenista diz (e com razão) que ranking é consequência, não pode ser o objetivo principal. Agora, com chance matemática real, acredito que vire o próximo objetivo. Acredito que a meta dele seja o US Open e o Finals. Dois torneios que também teimam em escapar nos últimos anos.

      Responder
      1. Alexandre Maciel

        Dalcim, fala sério, se esse cara continuar embolsando títulos e realmente vencer USOpen ou Finals tem que mandar pra ser objeto de estudos na NASA. Com certeza é o mais próximo que a NASA vai chegar de um E.T. Tá doido…

        Responder
  122. Vinicius

    Boa noite Mestre, considera Federer favorito a levar o US Open? Qual a quadros mais rápida, a do US open ou do Australian Open? um abraco mestre.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A da Austrália estava bem rápida, portanto deve superar a do US Open. Ainda mais porque Nova York é bem úmida. Acho que temos de ver o que acontece antes do US Open, mas ele certamente está entre os favoritos.

      Responder
  123. Leo Gavio

    Titulo desse meu post: Federer não passa de um bicão.

    Nunca vi um tenista tão rabudo, tão sortudo.

    O torneio da Australia foi um dos unicos em que o vi jogar como GOAT. Ali sim ele jogou absurdos, realmente gostei — no final do quinto set eu estava de pé batendo palmas pro suiço. Porem, nesse Wimbledon ele foi totalmente burocratico, não fez nada demais, talvez culpa dos lixos que ele enfrentou. Não sei explicar, se é a superficie que mata a beleza do jogo, ou se os adversarios marreteiros que empobrecem o jogo, não sei.

    Djokovic dificilmente chega numa final de Slam contra tenistas tão ruins como Federer encontrou na maioria de seus 19 slams.

    Não quero dizer que Federer é ruim, o suiço é muito bom, é só ver o AOpen, a qualidade do jogo dele ali foi absurda.

    Mas na maioria dos seus titulos de slam ele bateu em galinha morta. Teve slam onde hewitt foi humilhado na final (fez 3 games se não me engano), e não porque Federer era um absurdo, e sim porque o nivel do top 5 ou top 10 era podre. Blake era top 3 nessa epoca (p.q.p. nem quero mais comentar)

    Federer é o tenista com estilo mais longevo, ele tem jogo pra ser considerado um dos melhores da historia, mas ele tambem dá muita sorte, muitos slams que ele venceu foram contra pangarés.

    O Djokovic de 2015 teria surrado esse Federer burocratico desse Wimbledon 2017.

    Parabens a ele que levantou o caneco mais brochante de toda a historia do All england Club. Que partida lixo, eu pediria meu ingresso de volta.

    Responder
      1. Jose Yoh

        Concordo.
        E o Federer de 2006, 2007, 2008, 2009 e 2010 aplicava contundentes derrotas ao sérvio da mesma época também.
        Diga-se de passagem, até Federer completar seus 30 anos, era bem difícil o sérvio ganhar.
        As coisas ficam mais difíceis com a idade.

        Responder
    1. Paulo F.

      Djokovic, em 2014, SURROU Federer.
      Mesmo numa pedreira de 5 sets.
      E Federer jogou nessa final perdida de 2014 de Wimbledon MUITO MAIS do que suas ridículas finais de Slams perdidas para Rafael Nadal.

      Responder
    2. Bruno

      E mesmo assim ,Vc assistiu à partida inteira.
      Não merecia resposta essa merda que vc digitou.
      Uma mistura de inveja com despeito.tenho certeza que vc é masoquista ,gosta mesmo de apanhar.
      Chupa que é de uva cotonete frustrada.

      Responder
    3. José Eduardo Pessanha

      Observador perdedor, o Cotonete conseguiu perder o US Open 2016 pro Ursinho Carinhoso mesmo tendo pego uma chave altamente baba. Pegou Janowicz, venceu Vesely por WO, venceu Youznhy, que abandonou perdendo por 4 a 2 no primeiro set. Em seguida, pegou o possante Edmund, depois nas quartas o Tsonga, que abandonou o jogo no terceiro set. Por fim, Djokovic pegou o Djavan na semifinal e o Ursinho na final.
      Ou seja, três adversários desistiram do jogo e, mesmo assim, Cotonete foi vice pro Wawrinka. Volte pro facebook, pois seus argumentos não se sustentam aqui.
      Chupa que é de gluten, Vassouretes.

      Abs.

      Responder
    4. Bruno

      Dalcim,parabéns pelo espaço democrático aqui no blog.
      Agora ,independente de qual jogador que seja,como que vc pensa sobre um comentário desse do colega Leo Gavio?

      Responder
      1. Chetnik

        Não tem como nem levar a sério um comentário desses. Aliás, nem sei se essa cara é “de verdade”. Mas vocês cansaram de escrever coisas parecidas nos dois últimos anos.

        Responder
    5. Nando

      Onde eu assino hein Léo Gavio? (Ou seria o Paulo Coelho dos comentários? Hum, sei não…) kkkkkkkkk SQN.

      Cada vez mais, em busca do topo no quesito “passador de recibos” né?

      Responder
    6. Alex Uchôa

      Acho que o Federer não jogou o mesmo que no AO2017 simplesmente porque não foi exigido o suficiente como no primeiro slam do ano. Durante o WB desse ano todas as vezes que foi necessário ele elevou o nível na hora certa para ganhar os pontos chaves do jogo e assim brecar qualquer investida dos adversários. Foi assim com Raonic e com o Berdych (Não vi os jogos da primeira rodada). Portanto acho que ele tinha muita gordura ainda para queimar caso fosse necessário. Além disso, ele sabia que o restante do torneio, e da próprio temporada, seriam difíceis e portanto sempre tratou de jogar apenas o suficiente para ganhar com segurança. Portanto, por essas e outras razões, não pudemos ver todo o potencial do suíço neste torneio.

      Sobre um hipotético duelo em WB do Federer de 2017 com o Djokovic de 2015 arrisco dizer que o Federer venceria no máximo em 3×1. Primeiro porque já em 2015, mesmo jogando muito abaixo do que está jogando hoje, vendeu caro a derrota para o Djoko na final. Segundo porque como observado acima ele tinha ainda muito mais lenha para queimar. E finalmente porque hoje o Federer está jogando mais solto do que nunca. E isso realmente deixa ele ainda mais perigoso como o próprio Djokovic já reconheceu recentemente.

      Sobre a chave do Feder em WB2017 não acredito que Dimitrov (SF WB2014) , Raonic Vice WB2016, Berdych WB2010, Cilic campeaoUS2014) possa ser considerada uma chave tão fácil assim. Faltou apenas o Djokovic numa semi e o Nadal na Final que era o que todo mundo esperava.

      Responder
    7. Matias

      Bem, se Federer pegou tenistas menos capacitados nas finais, o que você queria que ele fizesse não entrasse em quadra? Lembre-se que na grande maioria dos torneios os outros do Big 3 estavam na chave e não tiveram competência para chegar a final para disputar com o Mestre. O que dizer de até hoje não haver um duelo Fedal no US Open? Sorte não se põe a mesa em 19 Slams conquistados em 29 finais, ela não dura tanto! Abs

      Responder
    8. Alexandre Maciel

      Claro, claro, pura sorte. Federer nem precisa de mais treinos e preparatórios, do jeito que é sortudo basta entrar em quadra que o 20º está garantido em NY. Cada coisa que lemos por aqui… putz !!!

      Responder
  124. Guilherme

    Gigantesco RF!!!

    Dalcim, onde pode-se comprar essa nova camisa Ro8er da Nike?

    E como ficará a briga pelo numero 1? Em qual torneio Federer pode recupera-lo?

    Responder
      1. José R.

        Eu procurei a camiseta e a jaqueta, mas não encontrei em nenhum lugar, nem na loja oficial da nike… Acho q vão levar algum tempo para colocar à disposição. As camisetas dos jogos do AO desse ano estão disponíveis, mas custam 250 cada!!

        Responder
  125. João Luiz

    Boa noite Dalcim.
    Divido meu comentário em três partes.
    1- Federer — mágico, genial, rei do tenis. Acompanho tênis desde 1997 e é o maior jogador que já vi jogar. Não posso falar por jogadores que conheci somente através de vídeos. O suíço não precisa provar mais nada para ninguém, joga por prazer de jogar.
    Que cena maravilhosa ele chorando após ver sua família reunida.
    O cara é um ser humano diferenciado. Assisti o jogo por 3 locais: tv, comentários do Dalcim no UOL e por um app vendo as estatísticas.
    E confesso- chorei junto com cilic e com o Federer.
    Dia inesquecível.

    2- torcida anti — chamavam ele de aposentado, rei da entressafra (pérola do portuga nas notícias do site), entre outras coisas. Contavam até quantidade de slams para o djoko chegar ao 18° slam.
    Sobrou tentar desqualificar os dois slams do suíço, alegando que ele só ganhou devido a baixa do djoko, ou as lesões de vários jogadores em Wimbledon.
    Deve ser horrível ser anti-Federer.

    3- futuro — fico pensando que daqui 15, 20 anos alguns falarão desse tal suíço, e eu ficarei emocionado por pensar como fui privilegiado por ter acompanhado a carreira do maior tenista de todos os tempos.

    Responder
    1. Daniel

      19 GS
      6 Finals
      237 semanas seguidas como no1 (302 no total)
      8 WB (torneio mais importante é tradicional)

      Esses são os números que realmente importam

      Responder
    2. ANTONIO CARLOS

      Todos senão vc não escreveria nenhum número.

      Por exemplo:
      Sem o 0 vc não escreveria 302
      Sem o 9 não escreveria 19
      E o que escrever no lugar do 8?

      Então todos os números importam.

      Responder
      1. Marcos Castillo

        Boa resposta,Antonio Carlos. Na verdade, meu comentário é uma brincadeira com alguns leitores que sempre postam as extraordinárias marcas do suíço com o comentário final de que estes são os números que realmente importam. Somente quis que eles tivessem a oportunidade de atualizar tais números em uma eventual resposta, como bem percebeu o leitor Daniel. Abs!

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *